Debate

Casa de swing com 300 pessoas é interditada no RJ; há relatos de casos de covid

Redação Hypeness - 22/07/2021

A Prefeitura do Rio de Janeiro fechou a casa de swing Asha Club, na Barra da Tijuca. O estabelecimento realizava um evento com mais de 300 pessoas em plena pandemia de covid-19. Após uma reportagem da BBC sobre a cultura de swingers e do sexo liberal que circunda o local, alguns participaram relataram ter contraído covid-19 no estabelecimento.

– Casal chantageado com nudes vira o jogo e monta site com conteúdo erótico

Os próprios frequentadores das casas de swing sabem que protocolos de segurança não existem no local

O Asha Club está aberto há algum tempo desde o início da pandemia e foi multado e interditado após o evento com mais de 300 pessoas. A casa de Swing é considerada um ponto principal do nicho do sexo liberal na capital carioca.

Entretanto, é meio difícil entrar numa casa de swing durante a pandemia e acreditar que o distanciamento social ou o uso de máscaras será respeitado.

– Rio de Janeiro teve hostel lotado em festa com ingresso a R$ 200

“Ninguém pensa nisso na hora. Eu particularmente não penso, é o tempo todo abaixando máscara, tirando máscara, máscara cai, pega a máscara de volta… A vontade, o gostar, o desejo e o prazer — essas coisas falam mais alto para mim do que o distanciamento”, afirmou uma anônima à BBC.

“Pra ser sincera, acho que não tem como fazer swing na pandemia. Eu não respeito isso, mas acho que não tem como (fazer) de forma alguma, nem se diminuir a capacidade (da casa), nem se usar álcool, porque as coisas são muito frenéticas lá dentro. O beijo rola o tempo todo, as mãos, o sexo”, completou.

Polícia fechou casa de swing durante festa com 300 pessoas

Na conversa com a BBC, outro personagem relatou que após sua primeira saída para uma casa de swing, em dezembro do ano passado, ele contraiu covid-19, mas não teve muitas complicações por conta da doença. Mas o caso evidencia que o estabelecimento não é necessariamente o mais seguro para o momento de pandemia.

Em junho, publicamos aqui a história de Louise Fischer, jornalista dinamarquesa que fez uma reportagem sobre a abertura das casas de swing no país nórdico. Por lá, as casas de sexo liberal só abriram a partir de junho, quando a média móvel de mortes por covid-19 semanal estava zerada. A repórter, inclusive, aproveitou e transou com um rapaz na casa de suíngue. Leia aqui: Repórter que fez sexo durante matéria diz que participou ativamente de reportagem.

 

Publicidade

Fotos: Destaques e Foto 1: © Getty Images Foto 2: Prefeitura do Rio de Janeiro


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.