Inspiração

Ela realizou o sonho de entrar em campo e lançar uma bola por seu time de coração; 60 anos depois

Vitor Paiva - 08/07/2021

O sonho de infância da assistente social estadunidense Gwen Goldman era de se tornar jogadora de beisebol, ao ponto de ter escrito aos 10 anos de idade uma carta para os New York Yankees, seu time de coração de Nova York, perguntando se poderia jogar como rebatedora no time – Goldman recebeu uma triste resposta, assinada pelo diretor geral do clube de então, Roy Hamey, lhe dizendo que ela não poderia jogar por ser uma garota. Seis décadas depois, aos 70 anos ela enfim pôde realizar simbolicamente seu sonho por alguns instantes – e atuou como jogadora honorária em partida recente contra os Los Angeles Angels em pleno estádio do Bronx.

Goldman é torcedora dos Yankees há seis décadas

Goldman é torcedora dos Yankees há seis décadas © Twitter/New York Yankees

Gwen Goldman iniciando a partida dos Yankees

O lançamento da torcedora iniciou simbolicamente a partida © Getty Images

-Tour de France e o machismo na ausência de uma versão feminina da maior prova do ciclismo mundial

Datada de 12 de junho de 1961, na carta Hamey afirma que “ainda que concorde que as garotas são certamente tão capazes quanto os garotos, e que seria uma novidade atraente no campo, eu tenho certeza que você compreende se tratar de um jogo dominado por homens”, para enfim concluir que uma jovem como ela iria se sentir fora de lugar no campo. Brian Cashman, atual diretor do time soube da história pela filha de Goldman, que repassou a antiga carta ao dirigente, que por sua vez respondeu diretamente, com o devido convite, e uma reparação ao machismo cometido no passado.

-Guia de Bolso conta, em 8 capítulos, como combater machismo

“Uma mulher pertence aos mesmos lugares que um homem, incluindo o campo. Não é tarde demais para recompensar e reconhecer a ambição que você demonstrou ao escrever uma carta para nós aos 10 anos”, escreveu o dirigente. “Alguns sonhos levam mais tempo do que deviam para serem realizados, mas um objetivo alcançado não deve ser diminuído pela passagem do tempo”, escreveu Cashman, convidando Goldman a lançar a primeira bola da partida dos Yankees contra os Angels – vestindo um uniforme completo de seu time, para quem ela seguiu torcendo com devoção ao longo das últimas seis décadas.

Gwen Goldman iniciando a partida dos Yankees

Gwen Goldman é assistente social e nunca deixou de acompanhar seu time © Twitter/Yankees

Gwen Goldman iniciando a partida dos Yankees

A homenagem foi parte de uma semana especial no time © Twitter/Yankees

-Californiana é a 1ª skatista mulher a completar ‘manobra insana’ em pista de Tony Hawk

Segundo declarou à imprensa local, toda a experiência foi emocionante para a assistente social – desde chegar à entrada do estádio, ir ao vestiário e encontrar seu nome, vestir o uniforme, caminhar até o campo – e, claro, lançar a bola. “Foi a emoção de uma vida inteira, vezes um milhão, e eu pude enfim estar no campo, lancei uma bola, conheci os jogadores. Eles prepararam um dia para mim, o que é algo que eu jamais pude esperar”, afirmou, dizendo que nem em seus sonhos mais loucos poderia imaginar que um dia o dirigente dos Yankees iria te procurar – te convidar para enfim realizar seu sonho, bem como lembrar que todo campo também é lugar para mulheres.

Gwen Goldman iniciando a partida dos Yankees

O momento trouxe a alegria da criança torcedora de volta à assistente social © Getty Images

Gwen Goldman iniciando a partida dos Yankees

A homenagem foi uma tentativa do time em se reposicionar sobre o ocorrido © Getty Images

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é mestre e doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Publica artigos, ensaios e reportagens, é autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Sunisa Lee: norte-americana de ascendência asiática leva ouro e responde xenofobia com união