Arte

Elize Matsunaga gravou doc na Netflix com equipe feminina e durante ‘saidinha’

Karol Gomes - 06/07/2021

Presa desde 2012 pelo assassinato e esquartejamento do marido Marcos Matsunaga, executivo da Yoki, Elize Matsunaga finalmente ganhou a oportunidade de contar a história do seu ponto de vista na minissérie documental da Netflix “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”, que estreia nesta quinta-feira (8). 

Nove anos depois, esta é a primeira e única entrevista que a criminosa, considerada psicopata, aceitou fazer sobre o caso, que envolve traição, herança, detetive particular, agressão física e a guarda da filha do casal. As conversas aconteceram durante as “saidinhas” – saídas temporárias às quais os presos em regime semiaberto têm direito no Brasil, em datas especiais e comemorativas, como o Natal. 

– Carla Diaz vive Suzane von Richthofen em filme que ganha trailer inédito

– A construção de ‘boa moça’ de Sari Corte em entrevista ao ‘Fantástico’

A família da vítima tentou, sem sucesso, impedir que Eliza desse entrevista para o documentário

Elize Matsunaga está no presídio de Tremembé, no interior de São Paulo, onde cumpre sua pena de 16 anos. Algumas cenas chegaram a ser gravadas no local. A equipe do documentário exibido pela Netflix é inteiramente feminina e a direção é de Eliza Capai. 

Os depoimentos de Elize Matsunaga dão detalhes sobre a relação conturbada com o empresário, um dos herdeiros da Yoki. Elize acusa Marcos de traição e agressão.  

“Você acha que alguém da sua reputação vai encontrar um príncipe encantado? Eu conheço homem. Você só vai encontrar alguém para comer a sua b*. Nessas palavras. Dessa forma”, teria dito Marcos em uma das discussões com Elize. 

Assista ao trailer: 

“Ele negava aquilo de forma tão extrema e me colocava numa situação de culpada. Será que estou doida mesmo?”, se questiona a viúva durante a entrevista. O documentário também irá apresentar o outro lado da história, por meio da presença do melhor amigo de Marcos e outras pessoas próximas a ele. 

Elize Matsunaga também reflete sobre o que passou por sua cabeça momentos depois de ter assassinado o marido. 

“Eu lembro que ele me deu um tapa no rosto e ele nunca tinha feito isso. Ele negava aquilo de forma tão extrema e me colocava numa situação de culpada. Será que estou doida mesmo?”.

A diretora afirmou ainda que “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime” tem como objetivo provocar reflexões sobre a forma como mídia e sistema penal, de uma maneira ampla, tratam os crimes no Brasil. 

Publicidade

Foto: Divulgação/Netflix


Karol Gomes
Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.