Ciência

Estrela em forma de lágrima pode explicar mistério da expansão do Universo

Redação Hypeness - 23/07/2021 | Atualizada em - 26/07/2021

Astrônomos descobriram uma estrela rara em forma de lágrima girando pelo cosmos a cerca de 1.500 anos-luz do sol. Mas, por que a estrela chora? Porque está em um relacionamento tóxico. Calma, eu explico!

Neste caso, a estrela mantém conexão com um parceiro que está literalmente arrancando a vida de seu corpo. Em relacionamentos estelares como esses, não há separação amigável; o romance só termina quando as duas estrelas explodem em uma explosão termonuclear violenta que é visível em toda a galáxia. Você choraria também.

Mas os astrônomos, como bons paparazzi cósmicos que são, estão entusiasmados com essa relação estelar distorcida.

University of Warwick/Mark Garlick

Estrela em forma de lágrima pode explicar mistério da expansão do Universo | Foto: University of Warwick/Mark Garlick

O sistema estelar, denominado HD265435, é um dos únicos três sistemas estelares binários conhecidos no universo – e o mais próximo da Terra – que está claramente destinado a terminar em uma supernova Tipo Ia, de acordo com um estudo publicado em 12 de julho na revista Nature Astronomia.

Esses tipos de explosões estelares ocorrem quando uma anã branca (a casca enrugada de uma estrela velha em colapso) divide uma órbita com uma estrela maior e mais jovem que ainda tem algum combustível para queimar.

Pequena, mas gravitacionalmente massiva, a anã branca devora alegremente esse combustível, arrancando tanta matéria de sua companheira que a estrela mais jovem começa a mudar de forma de uma esfera para uma elipse ou lágrima.

A estrela mais velha fica cada vez maior ao longo de milhões de anos, tornando-se finalmente grande demais para seu próprio bem. As reações nucleares reacendem-se em seu núcleo, o anão explode e ambas as estrelas se tornam uma mancha irradiada de gás e poeira no céu noturno.

Supernovas são fáceis de detectar quando a explosão ocorre – uma dessas explosões durou 23 dias e noites no céu da Terra em 1054 d.C. -, mas encontrar os sistemas estelares condenados que levam às explosões do Tipo Ia é muito mais complicado.

Isso ocorre em parte porque as anãs brancas são extremamente fracas e pequenas, acumulando a massa do Sol em uma bola com a largura da Terra, de acordo com a NASA.

Encontrar a estrela companheira malfadada de uma anã não é muito mais fácil, mas como essas estrelas mais jovens tendem a ser muito mais brilhantes, elas oferecem algumas pistas reveladoras, escreveram os autores do novo estudo.

Um é uma forma “elipsóide”, sugerindo que algo massivo está puxando um lado da estrela e deformando-o. Outra pista é uma assinatura de luz pulsante rápida, que sugere um sistema binário onde duas estrelas orbitam uma à outra de forma extremamente próxima e rápida.

Telescópio TESS

Telescópio TESS estuda a supernova oculta | Foto: NASA/Wikimedia Commons

Usando observações do Transiting Exoplanet Survey Satellite da NASA, os pesquisadores descobriram que o HD265435 se encaixa em ambos os critérios. A partir desses detalhes, a equipe calculou a distância e a massa da estrela brilhante, o que permitiu aos pesquisadores fazer algumas estimativas informadas sobre o tamanho e a idade da estrela companheira invisível da jovem estrela.

A equipe descobriu que a estrela visível contém cerca de 60% da massa do Sol, sugerindo que a estrela visível não está muito longe de se transformar em uma anã branca. A companheira invisível da estrela-lágrima, por sua vez, se encaixa perfeitamente no perfil da anã branca, acumulando aproximadamente uma massa solar em uma esfera ligeiramente menor que a Terra.

Essas duas estrelas orbitam completamente uma à outra a cada 90 minutos ou mais, indicando que elas estão extremamente próximas e provavelmente irão se fundir completamente daqui a milhões de anos. Junto, o par tem a massa total certa para sugerir que uma supernova Tipo Ia está no horizonte em 70 milhões de anos ou mais, concluíram os autores.

Obviamente, nenhum de nós estará por perto para ver esta dupla estelar desmoronar (ou melhor, explodir). Mas encontrar exemplos do mundo real de sistemas binários condenados a explodir não é uma tarefa fácil, e estudá-los pode ajudar os astrônomos a entender melhor os mecanismos ainda misteriosos que impulsionam essas tremendas explosões cósmicas.

Talvez tristemente para o HD265435, isso significa que as lentes dos paparazzi dos telescópios espaciais da Terra serão treinadas na relação complicada do sistema estelar por eras no futuro.

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.