Sustentabilidade

Governo é acusado de negacionismo e falta de transparência sobre risco de apagão

Yuri Ferreira - 28/07/2021

Especialista no setor energético afirmam que o governo federal está agindo com negacionismo frente à crise energética que está se instalando no país. Uma reportagem da Folha de São Paulo mostrou que o setor pode ser dramaticamente afetado por conta da decisão do governo de não propor redução no consumo de energia.

– Horário de verão pode voltar por risco de apagão e pressão do turismo e gigantes do fast-food 

Falta de diversidade na matriz energética no Brasil torna país vulnerável à mudanças climáticas

O governa nega a possibilidade de apagão e está trabalhando para garantir a oferta de energia, com a contratação de energia de origem termoelétrica.

“A gente vê ministros e outras figuras aparecendo e negando que estamos diante de um risco de racionamento e de apagões”, disse a consultora do Instituto Clima e Sociedade, Amanda Ohara, à Folha de São Paulo. “Se na pandemia, em que lidavam com vidas humanas, houve negação, imagina na energia, no início de um período eleitoral.”

– Apagão que ameaça Brasil pode ter explicação no desmatamento do Cerrado 

Em 28 de junho, o governo criou a Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética, uma autoridade similar à criada por Fernando Henrique Cardoso durante o racionamento de energia de 2001, um dos apagões energéticos mais dramáticos da história do país.

Existe uma grande preocupação por parte do governo em proteger a retomada da economia e um apagão poderia causar a insegurança necessária para desacelerar o crescimento econômico previsto para 2021 e 2022. Outro problema para não incentivar a economia de energia e tornar pública a crise de abastecimento são as eleições gerais do ano que vem.

O principal problema para a geração de energia no Brasil está no desabastecimento dos reservatórios das hidrelétricas: com pouca água, a capacidade de produção de energia elétrica é reduzida. A previsão de chuvas não anima e ainda há a expectativa de uma redução em 2022 por conta do fenômeno La Niña. A situação pode piorar por conta de um aumento de chuvas no nordeste, que prejudicaria também a matriz de energia elétrica da região.

O ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), uma entidade privada que avalia os ricos do setor, emitiu uma nota na semana passada falando sobre a possibilidade de apagão no fim do ano.

Seca empurra aumento histórico na conta de luz; nota alertou para apagão

“A pior coisa que o governo está fazendo no momento é não preparar os brasileiros para a situação difícil que vamos enfrentar”, diz o físico José Goldemberg, ex-secretário de Meio Ambiente de São Paulo, à Folha de São Paulo.

Publicidade

Fotos: © Getty Images


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness.