Debate

Haiti: da colonização francesa à ocupação militar brasileira, o que levou à crise no país

Redação Hypeness - 08/07/2021

A morte do presidente haitiano Juvenel Moïse colocou o país no centro das notícias do mundo novamente, onze anos após o trágico terremoto de 2010 que matou mais de 200 mil pessoas na ilha que detém o pior índice de desenvolvimento humano das Américas.

O tratamento da imprensa ao Haiti sempre costuma ocultar alguns dos fatos cruciais para compreender a história desse país. O país sofreu a mais violenta das colonizações nas Américas sob o regime francês, no século passado foi ocupado militarmente pelos EUA e a continuidade das interferências externas no país – como a ocupação militar brasileira sob ordens da ONU – conduziram a ilha à uma sequência de desastres humanitários.

– O que as colonizações tem a ver com os atentados terroristas na França

A colonização francesa e a revolução haitiana

O Haiti se tornou uma posse colonial francesa em 1625. O empreendimento da coroa da França na ilha de Saint Domingue – que inclui o atual território haitiano e a República Dominicana – era extremamente lucrativo. Daí surgiu o nome de ‘Pérola das Antilhas’. Mais de 80% das exportações francesas partiam das terras haitianas e boa parte da força de trabalho encontrada na ilha naquele momento era de negros escravizados trazidos da África.

A expectativa de vida média dos africanos levados para o Haiti era de cinco anos de sobrevivência após a escravização. A maior parte da população era constituída de negros que eram forçados a trabalhar para os brancos franceses.

– França promete devolver obras de arte africanas roubadas durante colonização

Os escravizados e desamparados daquele país viram que a revolução francesa de 1789 e a revolução americana de 1779 pregavam valores de liberdade, igualdade e fraternidade, mas não incluíam os escravizados no âmbito desses ideais.

Dessalines e Louverture, dois heróis revolucionários do Haiti e símbolos nacionais de libertação anti-colonial até hoje

Uma revolta de escravizados se instaurou no país em 1791, dois anos após a revolução francesa. Liderados por Jean Jacques Dessalines e Toussaint Louverture, a população negra da ilha se revoltou contra os colonizadores e o país comandou a primeira revolução independentista das Américas. Além disso, o Haiti foi o primeiro país a abolir a escravidão no Novo Mundo.

A mais bela das revoluções na América acabou apagada da história e pouco se conta sobre sua história, que envolve realistas franceses, a influência da Espanha – que via na influência haitiana sobre as colônias um potencial risco para suas posses e até os EUA entraram no conflito. Como não podemos entrar nas profundidades desse conflito, recomendamos a leitura de ‘Os Jacobinos Negros’, de CLR James, uma obra prima sobre o pensamento politico desses revolucionários.

Em 1804, o Haiti confirma sua independência e derrota as forças inimigas, se tornando o primeiro país de facto independente das Américas. Entretanto, a consolidação da revolução levou a um massacre de franceses no país: foram mais de 50 mil colonos mortos. A comunidade internacional não gostou do exemplo dado pelos escravizados e até 1825, o país viveu em um embargo econômico.

– Fotógrafa brasileira presenteia filho de haitianos nascido em calçada de Porto Alegre com ensaio fofíssimo

Nesse ano, o rei Carlos V da França promoveu um acordo com o então presidente haitiano, Jean-Pierre Boyer. A ilha teria de reaver a França por suas terras no total de 150 milhões de francos, valor impensável e inimaginável para a produção econômica haitiana naquela época. Seriam algo como US$21 bilhões de dólares nos dias de hoje30% a mais do que o PIB anual do país atualmente.

Monumento ao Imperador Dessalines em Port-au-Prince

Boyer foi forçado a aceitar: a França havia cercado militarmente a ilha de Saint Domingue. Ele aceitou o acordo. Então, um banco francês emprestou o dinheiro e então o país ficou de joelhos aos colonos: foram 122 anos pagando a dívida, que só foi quitada em 1947. Os juros tornaram esse valor exorbitante em algo ainda pior.

A dívida externa com a França acabou, mas o país continuou sendo refém das potências internacionais.

O assassinato de um presidente e o domínio estadunidense

Os EUA sempre viram o Haiti com bons olhos para aumentar sua influência na comunidade mundial e planejava fazer investimentos no país para tentar barrar a presença francesa no Caribe. No início da década de 1910, um banco privado americano (ou melhor, o Citibank, aquele mesmo) comprou o Banco Nacional da República do Haiti – algo como o nosso Banco Central – e começou a financiar a desestabilização do país.

– Antifascismo: 10 personalidades que lutaram contra a tirania e você deveria conhecer

Em 1915, com a crescente presença da comunidade alemã na Ilha e uma crise política grave que tomava o país causada pela dívida com a França, os EUA viram a conjuntura perfeita para intervir no país (quem diria, né). O presidente Jean Vilbrun Guillaume Sam foi assassinado em fevereiro e, sob o comando de Woodrow Wilson, os militares americanos tomaram o controle da ilha.

O presidente do Haiti foi assassinado; exemplos históricos mostram que o caminho a partir daí é tenebroso

Durante os anos da presença americana no Haiti, houve sequenciais abusos contra os negros no país, massacres contra opositores e outras violações contra os direitos humanos.

A ocupação durou até 1934, mas a dívida externa do país se manteve alta. Foi somente sob o governo de Dumarsais Estimé, em 1947, que o país conseguiu acertar suas contas com os seus credores internacionais e instaurou diversas reformas, incluindo a criação de uma rede de bem-estar social mas, adivinhem: foi vítima de um golpe.

Entre golpes e eleições, o país chega em 1957 com François Duvalier no posto de presidente. O Haiti estava dramaticamente debilitado economicamente por conta do furacão Hazel, que havia atingido o país. Com aspirações populistas, Duvalier era tudo que uma nação em crise costuma eleger antes de entrar em uma outra crise mais profunda.

Duvalier e a volta do desespero

Ditador, o ‘Papa Doc’ como era chamado se tornou um dos ditadores ao bom modo latino-americano, com uma dose extra de culto à personalidade e uso da religião em seu benefício. John Kennedy até tentou lutar contra o presidente, mas posteriormente, os EUA passaram a ajudar a ditadura de Papa Doc por sua proximidade de Cuba, principal inimigo americano no Caribe.

Duvalier estabilizou o país  brevemente, mas logo começou a emplacar seu plano autoritário. Papa Doc foi se tornando um dos mais sanguinários ditadores de toda a América Latina e fez com que o país voltasse à sua herança maldita: a dívida externa.

Durante seu governo, Papa Doc contraiu diversas dívidas com entidades internacionais, incluindo o FMI, especialmente para reconstruir a ilha de desastres naturais. Foram 19 anos no poder, até que as revoltas anti-Duvalier estouram em um país novamente em posto frangalhos pela comunidade internacional.

De Papa Doc até aqui

Essa matéria se propôs à tarefa ingrata de tentar resumir brevemente a história de um país com uma tortuosa trajetória diplomática e política. Mas, talvez, tudo que queremos dizer possa se resumir aqui: a crise política e humanitária vivida pelo Haiti tem raízes históricas profundas e sua principal causa é a colonização. 

A lógica colonialista não abandonou a ilha nem mesmo com a redemocratização do país: as sequenciais crises no país e a Missão de Paz da ONU no Haiti – sob o comando brasileiro – não foram capazes de estabilizar a nação haitiana.

Terremoto de 2010 devastou o Haiti; desastre é uma das raízes que dificulta desenvolvimento estável da nação

O trabalho da ONU no país caribenho foi um grande fracasso e a prova está na morte de Juvenel Moïse. A influência internacional foi responsável pela eleição desse presidente, um homem de extrema-direita apoiado por Donald Trump. Agora, com sua morte, resta saber qual será a postura do governo Biden em relação à ilha.

Nenhuma pessoa foi vacinada contra a covid-19 no Haiti até agora. A dívida externa do país só cresceu desde o terremoto de 2010. Moïse, que de santo não tinha nada, morreu em sua residência particular porque até agora o Palácio Presidencial não foi reconstruído, dez anos após o desastre natural.

A França e os EUA deveriam reparar os custos de suas ocupações e colonizações no Haiti. É o mínimo que dois países democráticos poderiam fazer. E os 30 e poucos bilhões que isso representaria nos dias de hoje não é nem um dia do PIB dessas potências. Até lá, crise.

 

Publicidade

Fotos: © Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Warning: file_put_contents(/var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/cache/twitter-stream-hypeness.txt): failed to open stream: Permission denied in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/social.php on line 410


X
Próxima notícia Hypeness:
Bia Kicis tira foto ao lado de membra do partido neonazista alemão