Viagem

Instalação na Áustria denuncia o impacto do turismo sobre a natureza mas se torna motivo de protestos

Vitor Paiva - 02/07/2021 | Atualizada em - 05/07/2021

A instalação Cliffhanger foi desenvolvida no final do ano passado pelo grupo artista austríaco Steinbrener/Dempf & Huber foi pensado como uma denúncia sobre como a ação humana afeta, invade e se apropria da natureza especialmente através do turismo. O nome faz um trocadilho entre penhasco e um momento de suspense, e consiste em uma cabine de informações para turistas embutido na parede rochosa de um despenhadeiro no parque Ötscher-Tormäuer Nature Park, na Áustria. A denúncia é importante e a instalação desafia tal lógica, mas alguns visitantes vem reclamando que o tiro da obra teria saído pela culatra.

A instalação Cliffhanger

A instalação está localizada no parque Ötscher-Tormäuer Nature Park, na Áustria

-Você teria coragem de passar a noite nesta cabana na encosta de um penhasco?

A reclamação vem de visitantes, alpinistas e trilheiros que frequentam o parque, e diz que a instalação justamente atrapalha a bela vista do penhasco e da cachoeira onde a cabine foi “instalada”. “A instalação não foi pensada para se tornar uma atração popular”, afirma Florian Schublach, diretor geral do Ötscher-Tormäuer Nature Park. “A ideia era que fosse o contrário: ao invés de levar as pessoas a irem pra lá, mais o contrário”, afirmou em entrevista para um jornal local.

A instalação Cliffhanger

A ideia da instalação é denunciar a “invasão” humana sobre a natureza

A instalação Cliffhanger

Visitantes se incomodaram justamente com a interferência da obra sobre a paisagem

-Hotel de cúpulas geodésicas de baixo impacto conecta com a natureza da Patagônia

A denúncia da obra também aponta para o fato de que as próprias populações locais se tornam coadjuvantes nas regiões invadidas por grandes quantidades de turistas – e busca evitar tal processo no parque e em outros pontos turísticos da Áustria. “As ações drásticas tomadas para maximizar o lucro em locais de recursos naturais, às vezes às custas do bem-estar da população local e da própria natureza”, como afirmou o grupo autor da instalação, são o “alvo” da obra. Cliffhanger levou três anos para ser desenvolvida, mas o projeto inicial começou a ser pensado 13 anos atrás.

A instalação Cliffhanger

O projeto começou a ser desenvolvido 13 anos atrás

-Festival de ópera na Áustria transforma o palco em uma gigante – e flutuante – obra de arte

A escolha do local se deu por justamente a região do parque ter sido poupada do processo de invasão dos turistas – a obra, portanto, serve como um aviso para se evitar tal futuro, e daí a crítica: a peça acabaria, segundo os críticos, por antecipar o que pode acontecer, e interfere diretamente na vista e na harmonia do local. “O objetivo dessa espetacular é de visualizar a conquista das paisagens e como os limites da civilização estão constantemente sendo empurrados, e também pelo turismo”, diz o grupo. Cliffhanger ficará “exposta” no despenhadeiro até setembro desse ano.

A instalação Cliffhanger

A instalação busca justamente repelir e não atrair turistas ao local

Publicidade

© fotos: Steinbrener/Dempf & Huber/divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.