Debate

Miliciano ligado aos Bolsonaro, Adriano da Nóbrega tem corpo exumado

Yuri Ferreira - 13/07/2021

O Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) pediu que o corpo do miliciano Adriano da Nóbrega, ligado à família do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), fosse exumado. Adriano havia sido assassinado em uma ação policial em fevereiro de 2020 na cidade de Esplanada, no interior baiano.

– Flávio Bolsonaro usou Abin para produção de relatórios de defesa no caso Queiroz 

Adriano da Nóbrega foi exumado e novos exames foram feitos no corpo do miliciano; ele era apontado como figura central na morte de Marielle Franco e no esquema de rachadinhas do gabinete do filho do presidente Bolsonaro

Nóbrega era apontado como o chefe do Escritório do Crime, uma organização criminosa originada na comunidade de Rio das Pedras, no Rio de Janeiro. Adriano era ex-policial e era apontado como uma peça chave no assassinato de Marielle Franco, vereadora carioca do PSOL assassinada em 14 de março de 2018.

– Empresa de filho de Bolsonaro tem sede em camarote e reunião fora da agenda com ministro

Adriano era considerado peça-chave nas investigações sobre os mandantes do assassinato da vereadora. Os executores do crime, Ronnie Lessa e Élcio Queiroz, eram ligados à facção miliciana de Nóbrega.

A esposa e a mãe de Adriano da Nóbrega foram funcionárias do gabinete de Flávio Bolsonaro, então deputado estadual pelo Rio de Janeiro e atualmente senador. Segundo o Ministério Público do Rio de Janeiro, elas eram peças importantes de um suposto esquema de rachadinhas no escritório de Flávio.

– Nem o medo da morte pode nos impedir de honrar a batalha de Marielle Franco

Em fevereiro de 2020, Adriano foi morto com dois tiros. Ele estava em um sítio de um vereador do PSL de Alagoinhas, partido pelo qual o presidente Jair Bolsonaro foi eleito em 2018.

Os primeiros laudos haviam negado a suspeita de execução e afirmavam que o ex-policial e foragido trocou alguns tiros com a polícia antes de morrer. Entretanto, a exumação pretende rever essas conclusões. Os novos laudos ainda não foram divulgados pelo MP-BA.

Publicidade

Fotos: Reprodução/Twitter


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Walkyria Santos desabafa e diz que filho se suicidou por discurso de ódio na internet