Diversidade

Olimpíadas: narradora usa pronome neutro em transmissão e viraliza por respeitar identidade de atleta

Vitor Paiva - 26/07/2021 | Atualizada em - 30/07/2021

Um excelente exemplo de empatia e respeito foi oferecido pela narradora Natália Lara, do Sportv, junto do comentarista Conrado Santana, durante a transmissão da partida de futebol feminino entre Japão e Canadá pelas Olimpíadas de 2021.

Para falar sobre Quinn, atleta da seleção canadense, Lara e Santana utilizaram um pronome neutro. No ano passado, Quinn revelou ser uma pessoa trans não-binária no ano passado, e durante a narração seu nome foi acompanhado do pronome “elu”, que não determina gênero à pessoa referida.

-Por que alguns pais estão optando por manter o gênero da criança em segredo após o nascimento

“Agora vou usar um pronome ‘de’ Quinn, para a entrada ‘da’ Rose. Quinn que é uma pessoa trans não-binária, por isso a gente fala com o pronome neutro. Então saindo Quinn para a entrada da Rose” – explicou a narradora. “Elu está saindo e elu jogou muito bem no meio campo, marcou demais”, seguiu o comentarista, também respeitando a neutralidade. O simples gesto foi reconhecido como feito histórico e possivelmente inédito na proporção que se deu, durante uma transmissão nacional de um evento do porte de uma partida em uma olimpíada.

A narradora Natalia Lara, do Sportv

A narradora Natalia Lara, do Sportv © divulgação

-Ação transforma tuites machistas sobre futebol feminino em grama para campo

O gesto da narradora foi bastante comentado na internet, com muita gente apontando o trecho para mostrar como pode ser simples e fácil dar exemplo de inclusão nos mais diversos meios.

“Como uma pessoa trans não binária, nunca pensei que ouviria uma pessoa não binária sendo referida como ‘elu’ e tendo seus pronomes respeitados em rede nacional”, escreveu um perfil. “Quão agradável e emocionante foi a surpresa de ver não só a @natalialaragc fazer isso, mas também o comentarista!”, concluiu. A própria narradora respondeu aos comentários, ampliando ainda mais o sentido inclusivo e empático de seu gesto, simples porém contundente.

Atleta Quinn, da seleção canadense de futebol feminino

Quinn revelou ser uma pessoa trans não-binária há pouco tempo © Instagram/reprodução

-Comentaristas racistas chamam cabelo black de jogador negro de ‘imundo’; veja vídeo

“Que eu possa ser sempre agente de transformação”, escreveu Lara, que aproveitou para comentar também com emojis a maioria dos comentários positivos que recebeu. “É um pequeno passo que damos pra uma maior inclusão Elu jogou muito bem, e merece todo o respeito!”, complementou a narradora. O comentarista Conrado Santana compartilhou o comentário de Lara, e também respondeu com corações a algumas das respostas celebrando o gesto. A partida entre Canadá e Japão terminou empatada em 1 a 1.

A narradora Natalia Lara junto do comentarista Conrado Santana

Lara junto do comentarista Conrado Santana © divulgação

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.