Debate

Segurança tenta barrar fotógrafo e argumenta que Parque Ibirapuera agora é privado

Redação Hypeness - 28/07/2021 | Atualizada em - 04/08/2021

O que acontece quando você faz uma foto dentro do Parque Ibirapuera,  um dos pontos turísticos mais visitados de São Paulo? Bom, segundo um visitante natural de Florianópolis, isso depende do tipo de equipamento que você estiver usando. 

Flávio Veloso disse à coluna de Mônica Bergamo, na Folha de São Paulo, ter sido impedido de continuar fazendo fotos por um segurança do Ibirapuera. “‘Isso aqui não é mais um parque público, foi privatizado'”, advertiu o funcionário do parque, de acordo com o relato do homem de 42 anos.

Leia também: Estrada em área de maior biodiversidade do Brasil causa temor por gado e mineração

Tarde de domingo no Parque Ibirapuera

Espaço público 

Flávio diz que estava na capital paulista a passeio na semana passada e fez uma visita ao Parque do Ibirapuera, onde aproveitou para fotografar nas proximidades da Oca, quando foi abordado pelo segurança. 

“Fui [ao Ibirapuera] para fotografar, para desestressar. Quando estava terminando o passeio, os seguranças me abordaram. Viram o equipamento grande, que eles dizem que é profissional, e vieram questionar se eu tinha autorização”, afirmou Veloso à coluna.

Ele tentou argumentar com o funcionário antes de ouvir sobre o suposto impedimento por causa da privatização do parque. 

“Eu, muito educadamente, falei que não tinha autorização porque não precisava, estava ao ar livre fotografando o parque. O segurança disse: ‘Isso aqui não é mais um parque público, foi privatizado'”, ressaltou ele. 

Leia também: A história do sobrado que resiste à verticalização em São Paulo

O homem contou que a Guarda Civil Metropolitana foi chamada pelos seguranças, mas Veloso e a família não foram abordados e continuaram fotografando. Flávio Veloso destacou que não há legislação municipal ou estadual que impeça o registro fotográfico para uso próprio em locais públicos.

A Prefeitura de São Paulo disse, em nota enviada à Folha, que as regras valem para todos os 109 parques administrados pela gestão municipal, inclusive os privatizados como o Ibirapuera. E que visa controlar possíveis ações comerciais neste locais. 

“A Prefeitura de São Paulo possui a empresa SPCine, que atua como um escritório de desenvolvimento, financiamento e implementação de programas e políticas para os setores de cinema, TV, games e novas mídias. O objetivo é reconhecer e estimular o potencial econômico e criativo do audiovisual paulista e seu impacto em âmbito cultural e social”, ressalta no trecho da nota.

Publicidade

Foto: Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.