Diversidade

Seleção brasileira terá que explicar ausência de número 24 em uniformes, decide juiz

Redação Hypeness - 01/07/2021


O juiz Ricardo Cyfer, da 10ª vara cível do Rio de Janeiro, ordenou que a Comissão Brasileira de Futebol (CBF) justifique a escolha de não utilizar o número 24 no registro de seus jogadores na Copa América realizada no Brasil. A decisão atende um pedido do Grupo Arco-Íris, uma ONG que luta em defesa dos direitos LGBT no Brasil desde 1993.

– Champions LiGay veste Pelé com a camisa 24 contra a homofobia no futebol

CBF deve explicar a ausência do número 24 da sua esquadra para a Copa América; prática reforça cultura homofóbica no futebol brasileiro

A Seleção Brasileira é a única equipe que não usa o número 24 em toda a Copa América. Entre os jogadores Ederson (23) e Douglas Luiz (25), não há nenhum atleta com a camisa do número que está relacionado à homofobia.

O juiz deu causa ao Grupo Arco-Íris e a CBF tem 48 horas para responder as questões, com multa de R$ 800 por dia sem resposta.

– Duas mulheres selam noivado na arquibancada e dão bico na homofobia do futebol 

Os questionamentos são os seguintes:

  • A não inclusão do número 24 no uniforme oficial nas competições constitui uma política deliberada da interpelada?
  • Em caso negativo, qual o motivo da não inclusão do número 24 no uniforme oficial da interpelada?
  • Qual o departamento dentro da interpelada,que é responsável pela deliberação dos números no uniforme oficial da seleção?
  • Quais as pessoas e funcionários da interpelada, que integram este departamento que delibera sobre a definição de números no uniforme oficial?
  • Existe alguma orientação da FIFA ou da CONMEBOL sobre o registro de jogadores com o número 24 na camisa?

 

Decisão mostra que homofobia ainda predomina no Futebol

Ao tomar a decisão, o grupo avalia que a CBF pode estar fortalecendo a cultura homofóbica dentro das quatro linhas. “É dela a responsabilidade de mudar esta cultura dentro do futebol. Quando a CBF se exime de participar, a torcida entende que é permitido, que é aceitável, e o posicionamento faz com que, aos poucos, esta cultura mude”, afirma o pedido do Arco-Íris.

– Primeiro jogador de futebol gay recebe homenagem de museu 

Confira o pedido:


“Sendo assim, o fato da numeração da seleção brasileira pular o número 24, considerando a conotação histórico cultural que envolta esse número de associação aos gays, deve ser entendido como uma clara ofensa a comunidade LGBTI+ e como uma atitude homofóbica”, continua o texto.

– Como este time gay está ajudando a combater a homofobia no futebol

“A luta da comunidade LGBTQIA+ pelo fim da discriminação contra seus membros, com o reconhecimento do seu direito a uma convivência plena na sociedade, é amplamente conhecida, tendo suas causas e seu desenvolvimento sido sobejamente detalhados na narrativa dos fatos na inicial desta ação. Da mesma forma, tem se mostrado cada vez com maior clareza o importante papel que a adoção de medidas afirmativas no âmbito das práticas esportivas exercem para o incremento dessa luta, com ênfase para aqueles esportes tradicionalmente considerados no universo masculino”, escreveu o juiz em sua decisão.

Publicidade

Fotos: © Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Daiane dos Santos sobre Rebeca Andrade: ‘1ª medalha olímpica do Brasil é negra’