Gastronomia

Amaranto: os benefícios de uma planta de 8 mil anos que poderia alimentar o mundo

Redação Hypeness - 23/08/2021

Amaranto já teve muitas comparações ao longo dos anos. De “A nova linhaça” a “supergrão”, esta planta que existe a pelo menos 8 mil é considerada um alimento tão poderoso que poderia substituir os grãos deficientes em nutrientes e melhorar a saúde em todo o mundo em desenvolvimento. Nada contra a quinoa, mas parece que temos mais um vegetal concorrendo ao título de super alimento.

Os primeiros produtores do grão chamado amaranto foram os povos maias da América do Sul – uma galera historicamente à frente de seu tempo. Mas a planta tão proteica também foi cultivado pelos astecas.

Quando os colonizadores espanhóis chegaram no continente americano, em 1600, eles ameaçaram qualquer um que fosse visto cultivando amaranto. Essa estranha proibição vinda de um povo intruso que acabava de chegar vinha da conexão espiritual que eles tinham com a planta. O amaranto era considerado uma ameaça ao Cristianismo, de acordo com um artigo recente publicado no The Guardian.

Agora livres dessa infundada perseguição, os ancestrais dos povos mesoamericanos em toda a América Latina estão trazendo esta cultura para a atenção dos mercados mundiais.

Fonte de todos os nove aminoácidos essenciais, bem como de vários minerais importantes como ferro e magnésio, o amaranto é um pseudo-cereal, situado em algum lugar entre a semente e o grão, como o trigo sarraceno ou a quinoa – e não contém glúten.

Além disso, a espécie agora está sendo cultivada e comercializada em produtos de alta qualidade para a indústria da beleza, em óleos essenciais e lojas de alimentos naturais, em lugares distantes como Sul da Ásia, China, Índia, África Ocidental e Caribe.

Com quase 75 espécies no gênero Amaranthus, algumas espécies de amaranto são cultivadas como vegetais de folhas, algumas para grãos e algumas para plantas ornamentais que você pode até já ter plantado em seu jardim.

Os caules e cachos de flores densamente compactados crescem em uma variedade de pigmentos marcantes, do marrom e vermelho carmesim ao ocre e limão, e podem crescer de 3 a 2,5 metros de altura. Algumas delas são ervas daninhas anuais de verão, conhecidas também como bredo ou caruru.

Explosão de amaranto pelo mundo

O valor total, desde a década de 1970, quando o amaranto começou a aparecer nas prateleiras das lojas, cresceu em um comércio global que agora está avaliado em US $ 5,8 bilhões.

Muito do renascimento dos métodos tradicionais de cultivo de amaranto, que envolve o armazenamento das sementes das melhores plantas, semelhante ao cultivo de milho pelos camponeses do México, criou uma cultura bastante resistente.

Um artigo de 2010 do New York Times detalhando o aumento de ervas daninhas resistentes ao herbicida da Monsanto “Roundup”, explicou que o amaranto, considerado uma erva daninha por alguns, exibia tal resistência.

Organizações como a Qachoo Aluum, na Guatemala, uma palavra maia para a Mãe Terra, vendem esses grãos e sementes antigos em seu site e organizam workshops para ajudar as comunidades indígenas a recuperar a segurança alimentar por meio de métodos ancestrais de cultivo.

Recuperar é uma palavra-chave aqui porque, como detalha o artigo do The Guardian, as forças do governo vinham perseguindo a população maia e queimando seus campos. Os agricultores mantinham sementes de amaranto em potes secretos enterrados no subsolo e, quando a guerra de duas décadas terminou, os agricultores restantes começaram a espalhar a semente e os métodos de cultivo por todo o campo.

Qachoo Aluum ressuscitou das cinzas deste conflito, graças a mais de 400 famílias de 24 aldeias guatemaltecas, que têm viajado todos os anos para os Estados Unidos para compartilhar seus conhecimentos ancestrais sobre a cultura em centros de jardinagem predominantemente indígenas e de língua latina.

“O amaranto mudou completamente a vida das famílias em nossas comunidades, não apenas economicamente, mas espiritualmente”, disse Maria Aurelia Xitumul, descendente maia e membro da comunidade Qachoo Aluum desde 2006.

O intercâmbio de sementes – uma parte vital de sistemas agrícolas saudáveis -, reviveu conexões amigáveis ​​entre o guatemalteco Qachoo Aluum e seus parentes pueblo mexicanos.

“Sempre consideramos nossos parentes-semente como parentes e parentes”, disse Tsosie-Peña, que acredita que a planta resistente e nutritiva pode alimentar o mundo.

Uma planta perfeita para regiões propensas à seca, o amaranto tem o potencial de melhorar a nutrição, aumentar a segurança alimentar, promover o desenvolvimento rural e apoiar o cuidado sustentável da terra.

Publicidade

Fotos: Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.