Inovação

Antes da invenção da geladeira, os entregadores de gelo garantiam a refrigeração de alimentos e bebidas

Vitor Paiva - 13/08/2021 | Atualizada em - 17/08/2021

Entre as muitas profissões antigas que hoje em dia não existem mais, poucas estão tão seguramente extintas quanto a dos entregadores de gelo – os famosos “homem-de-gelo” e “mulheres-de-gelo”, que durante o período entre o século XIX e meados do século XX entregavam grandes blocos de gelo diariamente para “alimentar” refrigeradores em casas e estabelecimentos comerciais. Tal profissão existia, é claro, numa época em que as geladeiras e freezers ainda não eram tão populares quanto atualmente, mas teve papel importante no crescimento de mercados e indústrias diversas no período de industrialização e modernização recente.

Entregador em Houston, no Texas, em 1928

Entregador em Houston, no Texas, em 1928 © Story Sloane Collection.

-Projeto fotográfico registra o interior da geladeira de pessoas de diferentes origens, profissões e classes sociais

O que seria, afinal, da indústria alimentícia, dos supermercados, dos bares e restaurantes, desde então e até os anos 1950, por exemplo, sem o trabalho desses entregadores – e sem os grandes blocos de gelo que mantinham e conservavam alimentos e produtos em geral? Açougues, mercados, indústrias de frutas e vegetais puderam ser transformadas a partir da refrigeração – e a própria popularização de tal ofício impulsionou a invenção das geladeiras e refrigeradores elétricos.

entregador de gelo

A entrega de gelo era base de diversas industrias © Getty Images

entregador de gelo

Era preciso pressa e habilidade para a entrega reduzir o desperdício

-Gadget movido a pilhas gela bebidas em apenas 60 segundos

Usar gelo em casa, para bebidas e alimentos, era sinal de status e riqueza na época, e o transporte de grandes quantidades de gelo das geleiras para as grandes cidades era complexo e de imenso e evidente desperdício. Como demonstra matéria original no site Messy Nessy e que trouxe as fotos que ilustram a presente matéria, a popularidade e importância da indústria do gelo e do trabalho de tais homens e mulheres era tão grande, que a venda nos EUA empregava cerca de 90 mil pessoas no final do século XIX.

entregadoras de gelo

Garotas trabalhando na entrega nos anos 20

entregador de gelo

No período da guerra as mulheres dominaram o serviço de entregas © Getty Images

-A68: o derretimento do que já foi o maior iceberg do mundo

À época, por exemplo, a Noruega exportava mais de 910 milhões de quilos de gelo por ano, em contagem regressiva que se acelerava enquanto os sistemas de refrigeração elétricos eram desenvolvidos. Com o imenso sucesso das geladeiras e freezers em todo o mundo, tal indústria começou a desaparecer – e hoje pouco resta das casas de gelo, armazéns e de toda essa outrora gigantesca indústria: mas o prazer de gelar um copo de água ou suco com cubos de gelo permanece, ao alcance de nossas mãos.

entregador de gelo

Os grandes blocos de gelo causavam o interesse das crianças nas entregas

entregador de gelo

As casas de gelo armazenavam e também vendiam os blocos

Publicidade

© fotos: Messy Nessy/créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.