Arte

Artigo de 1933 tenta diminuir trabalho de Frida Kahlo, mas ela responde à altura

Redação Hypeness - 09/08/2021 | Atualizada em - 10/08/2021

Frida Kahlo é reconhecidamente uma das maiores artistas que o mundo já viu. Sua jornada para a fama atual foi longa e sua vida marcada pela luta contra as forças da misoginia, mesmo com sua própria saúde debilitada.

Em um artigo de 1933, que recentemente ressurgiu sobre a pintora, trazia a manchete: “Esposa do mestre pintor de murais brinca alegremente em obras de arte”.

Ainda que a notícia comece reduzindo a artista ao papel de esposa de Diego Rivera na manchete – que foi condenada pelo público moderno -, o artigo em si é na verdade uma janela para o feminismo e a confiança artística de uma jovem Kahlo.

Kahlo se casou com Rivera em 1929, quando tinha vinte e poucos anos. Logo depois, o casal mudou-se de sua casa no México para San Francisco e depois para Detroit. Os movimentos seguiram as comissões de Rivera.

Na primavera de 1932, ele começou a trabalhar em um mural para o Instituto de Artes de Detroit. Durante seu tempo nos Estados Unidos, Kahlo pintou ativamente conforme sua saúde permitia, mas seu trabalho ainda não foi amplamente exibido.

Ela deu sua (hoje) icônica entrevista ao Detroit News aos 25 anos, depois de ter sido notada pelo jornal devido ao trabalho de seu famoso marido.

Escrito pela repórter Florence Davies, o artigo traz um título redutor, sugerindo que a coisa mais interessante sobre Kahlo era seu casamento. No entanto, a peça em si é uma introdução perspicaz à natureza feminista de Kahlo e à confiança em sua própria arte.

Kahlo se recusa a permitir que alguém assuma o crédito por sua habilidade, dizendo ao repórter: “Não, eu não estudei com Diego. Não estudei com ninguém. Eu só comecei a pintar”.

Davies teve o cuidado de reconhecer o talento de seu tema, escrevendo: “O fato é que ela adquiriu um estilo muito habilidoso e belo, pintando no pequeno com uma técnica miniatura, que está tão distante das figuras heróicas de Rivera quanto poderia muito bem ser imaginado.”

O artigo também inclui uma citação famosa de uma risonha Kahlo falando sobre seu famoso marido. “Claro, ele se dá muito bem para um menino, mas sou eu a grande artista.”

Se a obra valoriza, de fato, o talento do jovem artista, por que a manchete depreciativa e redutora? Por que se referir a uma pintora habilidosa como “alegremente brincando” na arte?

O Detroit News moderno tem um palpite; o artigo em si foi escrito por Davies, mas a manchete provavelmente foi escrita por um editor do sexo masculino. Talvez o editor nem tenha lido o artigo completo sobre Kahlo.

Quando o artigo ressurgiu online há vários anos, leitores de todo o mundo compartilharam sua incredulidade com a manchete. Como muitas pessoas apontaram, esse tipo de escolha editorial costuma ser feito hoje.

Não importa o quão poderosa, promissora ou talentosa seja a mulher, uma conexão com um homem poderoso costuma ser suficiente para descrevê-la.

Amal Clooney – advogada de direitos humanos de renome mundial, ex-aluno de Oxford, professora de direito e conselheira governamental de alto nível no Reino Unido – é muitas vezes reduzida pela imprensa à esposa de George Clooney.

Recentemente – e atenção para o ano, sim 2021 -, a skatista e tetracampeã mundial Karen Jonz passou pelo mesmo reducionismo. O jornalista Ivan Moré proferiu a seguinte frase: “Você está viralizando, virando um hit, você já é de um núcleo conhecido porque você é casada com o Lucas, que é vocalista da Fresno, você tem uma filha com um nome super diferente…”. No que Jonz rebateu: “Não, eu não sou conhecida porque eu sou casa com o Lucas, eu sou conhecida porque eu sou tetracampeã mundial e primeira mulher a vencer o X Games”.

Se na manchete de 1933 sobre Kahlo muitas mulheres modernas viram o apagamento ou a subjugação de suas próprias realizações, hoje podemos responder à altura – e sem edição.

Quem quer que tenha escrito a manchete do Detroit News talvez se surpreenderia com a caminhada de Frida. Kahlo tornou-se bastante conhecida durante sua vida. Ela expôs seu trabalho em Nova York, Paris e sua terra natal, o México.

Em 1939, o Museu do Louvre comprou The Frame, sua primeira aquisição de um artista mexicano. Hoje, como observa o Detroit News moderno, o nome do marido de Kahlo costuma ser anexado ao dela como um dos nomes mais conhecidos da história da arte moderna.

Publicidade

Fotos: Getty Images e Reprodução/Detroit News


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.