Ciência

Ciência: qualidade de vida de pessoas com Parkinson melhora com estimulação transcraniana

Vitor Paiva - 31/08/2021 | Atualizada em - 06/09/2021

Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) no campus de Rio Claro observou que a estimulação transcraniana (tDCS) trouxe benefícios diretos para pacientes com Parkinson. Realizado durante sessões de exercícios aeróbicos, o estudo mostrou que o estímulo combinado ao esforço não só potencializa os benefícios dos exercícios como, imediatamente após as sessões, trouxe melhoras diretas na forma dos pacientes andarem e controlarem seu andar.

Enfermeiro ajudando paciente com Parkinson a caminhar

A dificuldade de controle e movimentação ao caminhar é sintoma recorrente do Parkinson © Getty Images

-Como a maconha ajuda este homem com Parkinson a ter mais qualidade de vida

Publicado na revista científica Neurorehabilitation & Neural Repair, o estudo foi realizado com 20 pacientes divididos entre grupos ativos e placebo, em duas sessões com intervalo de uma semana entre cada uma. A estimulação craniana foi realizada por dois eletrodos posicionados em pontos específicos do crânio e fixados sobre o couro cabeludo oferecendo uma corrente muito baixa, de 2 miliampere, porém eficaz para estimular os neurônios – cada sessão durou 30 minutos e combinou a prática de ciclismo em intensidade moderada à estimulação pelos eletrodos.

Cérebro e eletrodos

Os pontos 1 e 2 mostram onde os eletrodos são aplicados para o estudo © Divulgação

-Ozzy revela Parkinson e sua mulher chora em entrevista

As funções cognitivas e as atividades cerebrais dos pacientes foram monitoradas antes e depois das sessões, quando foram realizadas análises de desenvolvimento espaço-temporal, assim como comprimento dos passos, quantidade e velocidade da marcha foram estudados para determinar os possíveis efeitos. De acordo com os resultados publicados, foram observadas melhoras na variabilidade da marcha, no controle executivo do andar e no tempo de reação dos pacientes – a degeneração do sistema nervoso provocada pela Doença de Parkinson leva, além dos tremores propriamente, a uma perda do controle motor.

Ressonância de paciente com Parkinson

Ressonância de paciente com Parkinson © Reprodução

-Estudante cria luvas inovadoras que prometem melhorar a vida de doentes com Parkinson

“Em comparação com a pré-avaliação, os participantes diminuíram a variabilidade do tempo do passo, reduziram o tempo de reação simples e de escolha, além de aumentarem a atividade na área do cérebro estimulada durante a caminhada após o exercício aeróbico combinado à tDCS ativa”, diz o texto. O uso da estimulação aliada aos benefícios já comprovados dos exercícios físicos sobre os efeitos da doença provocou um aumento na atividade do córtex pré-frontal do cérebro, área que justamente é mais utilizada por pacientes com Parkinson para controlar o caminhar: diante das limitações impostas pela doença, tais melhoras podem melhorar diretamente a autonomia e qualidade de vida de tal população.

Mulher com Parkinson

O uso de eletrodos em exercício demonstrou melhoras imediatas entre os participantes © Getty Images

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.