Design

Designer que criou alguns dos mais icônicos pôsteres do cinema chega aos 100 anos

Vitor Paiva - 27/08/2021 | Atualizada em - 31/08/2021

Se o nome do designer estadunidense Joseph Caroff é praticamente desconhecido, o mesmo não pode ser dito sobre seu trabalho – reconhecível e celebrado de forma imediata com um rápido golpe de vista: é olhar para saber se tratar de um gênio. Nascido em Nova Jersey em 1921 e, portanto, com 100 anos de idade completados agora em agosto, Caroff foi um dos grandes em dois desdobramentos do design que hoje quase não existem mais: o ofício de capista, artista responsável pelo desenvolvimento de capas de livros e discos, e de cartazista – que, como o nome sugere, ficava responsável pelo desenvolvimento de cartazes.

Joseph Caroff

Aos 100 anos, Joseph Caroff é um dos maiores cartazistas de todos os tempos

-Site disponibiliza mais de 1000 pôsteres de filmes em alta qualidade e sem texto pra você baixar

Alguns dos pôsteres mais emblemáticos da história do cinema foram desenvolvidos por Caroff, em uma época que os cartazes eram parte grandiosa do impacto que Hollywood e o cinema de forma geral provocava. Não é, portanto, exagero afirmar que, ao criar os pôsteres para obras históricas como West Side Story, Cabaret, Zelig e A Hard Day’s Night, primeiro filme dos Beatles, entre muitos outros, o artista ajudou a definir e sublinhar a história – e a história estética – do cinema.

Pôster de "A Hard Day's Night", primeiro filme dos Beatles

Pôster de “A Hard Day’s Night”, primeiro filme dos Beatles

Cartaz de "Cabaret", estrelado em 1972 por Liza Minelli

Cartaz de “Cabaret”, estrelado em 1972 por Liza Minelli

Cartaz de "Último Tango em Paris", de Bernardo Bertolucci

“Último Tango em Paris”, de Bernardo Bertolucci

-13 artes que estarão no Poster House, primeiro museu de pôsteres de NY

Um dos primeiros trabalhos que trouxeram reconhecimento para Caroff aos 27 anos foi a capa do livro The Naked and Dead, de Norman Mailer, lançado em 1948 no Brasil como Os nus e os mortos – outros trabalhos memoráveis de seu portfólio são o cartaz do filme O Último Tango em Paris, e principalmente o inesquecível logotipo dos filmes do 007 – que mistura ao numeral uma pistola, tornando-se símbolo inequívoco do personagens e dos filmes nas últimas tantas décadas de sucesso de James Bond em Hollywood. Foram mais de 300 cartazes ao longo de uma carreira que durou até 2006, quando o designer tinha 85 anos, e decidiu enfim largar o desenho industrial – mas não para deixar a pena, e passou a se dedicar às pinturas.

Capa de Norman Mailer

A capa do livro de Norman Mailer foi um dos primeiros trabalhos importantes do designer

Logo de 007

O desenvolvimento do logo de 007, criado por Caroff, ao longo dos anos

Cartaz do clássico "West Side Story"

Cartaz do clássico “West Side Story”

-Um pôster alternativo de filmes clássicos para cada dia do ano

O anonimato parcial de Caroff não se deu por escolha ou por qualquer fracasso de suas criações – pelo contrário, seu trabalho é um dos mais celebrados da história do design. Por ter trabalhado fundamentalmente em agências de arte e publicidade, o que se sucedeu é que na maior parte dos casos a assinatura ficou por conta das agências, eclipsando assim o reconhecimento devido – mas nunca reduzindo, porém, a qualidade e o estilo de seu trabalho, que ajudou, com seu talento em traduzir graficamente todo o espírito de uma obra à precisão, a criar a estética do sonho de Hollywood.

O pôster de "Zelig", de Woody Allen

O pôster de “Zelig”, de Woody Allen, define o espírito do filme com o simples uso de tipografias

Pôster de "A Última Tentação de Cristo", de Martin Scorcese

Pôster de “A Última Tentação de Cristo”, de Martin Scorcese

O lindo cartaz do filme "Manhattan", de Woody Allen

O lindo cartaz do filme “Manhattan”, de Woody Allen

Publicidade

© fotos: Joseph Caroff/arquivo pessoal


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.