Sustentabilidade

Elefanta resgatada em circo por maus-tratos vai para santuário em definitivo

Vitor Paiva - 06/08/2021

Depois de uma longa batalha judicial, o destino da elefanta Bambi foi enfim definido, e o animal viverá em definitivo no Santuário de Elefantes Brasil, no Mato Grosso. A disputa se deu entre a ONG e o zoológico Parque Fabio Barreto, onde antes vivia o paquiderme. Se a última disputa durou um ano, a incerteza sobre o futuro do animal já dura mais de 7 anos, desde que ela foi descoberta e apreendida pelo Ibama em um circo viajando o Brasil em 2014.

A elefanta Bambi no Santuário em Mato Grosso

A elefanta Bambi no Santuário em Mato Grosso

-Elefante viaja quase 3 mil km em plena pandemia e encerra 50 anos de confinamento em santuário

Com mais de 58 anos, Bambi é uma elefanta idosa, e após ser libertada do circo foi transferida para o Zoológico do Leme, no Rio de Janeiro. Em seguida ela foi enviada para o Zoológico de Ribeirão Preto, mas por lá ela permanecia praticamente o dia inteiro em uma área muito menor do que a adequada para elefantes, e assim diversos grupos de defesa dos animais atuaram que o animal encontrasse um local adequado para viver.

A elefanta Bambi no Santuário em Mato Grosso

Bambi (à frente) já tem 58 anos: a disputa judicial já dura 7 anos

-A comovente história dessas duas elefantes de circo e sua jornada rumo à liberdade

A mobilização fez com que o animal fosse enfim transportado para o santuário, localizado na Chapada dos Guimarães, no Mato Grosso, em setembro de 2020, onde passou a viver com outros três elefantes em um espaço amplo – e pode brincar e viver livremente. Em pouco tempo, porém, um juiz de Ribeirão Preto fez um pedido para que a elefanta fosse devolvida ao zoológico, alegando que se tratava de “patrimônio público” da cidade.

A elefanta Bambi no Santuário em Mato Grosso

No santuário Bambi convive com outros animais de sua espécie

-Funcionários de zoológicos revelam segredos sinistros sobre o comportamento dos animais atrás das grades

O imbróglio judicial foi intenso, e para conquistar a guarda de Bambi, a ONG abriu mão da indenização de R$ 200 mil prevista, e enfim a transferência se tornou definitiva. “É um dia de felicidade para todos nós. Lutamos muito para que a Bambi tivesse um pouco da sua dignidade de volta”, afirmou a advogada Ana Paula de Vasconcelos, do Fórum Animal. Bambi tem 3,7 mil quilos, é cega do olho esquerdo e tem problemas na mandíbula, mas agora pode-se oficialmente dizer: é uma elefanta livre.

A elefanta Bambi no Santuário em Mato Grosso

Bambi (à frente), junto de Mara no Santuário, que enfim será sua residência definitiva

Publicidade

© fotos: SEB/Divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.