Debate

Homofobia: mulher lésbica é chamada de ‘moço’ e tem provador invadido na Renner

Redação Hypeness - 23/08/2021

A gigante Renner está respondendo por lesbofobia e invasão de privacidade por causa da atitude de uma funcionária de uma loja de Belo Horizonte, localizada no shopping Del Rey, na Pampulha, no último sábado (21). A denúncia é de Amanda Vieira, que teve provador que usava invadido após ser confundida com um homem.

A engenheira civil de 28 anos falou sobre o ocorrido no Twitter, onde o caso tem repercutido. De cabelo curto e preferência por roupas masculinas, ela foi chamada de moço por uma funcionária enquanto se trocava em um provador. “Eu não respondi, porque não achei que fosse comigo, não sou moço”, relatou Amanda em entrevista ao site BHAZ.

– De queijos a cuecas femininas: 7 negócios de mulheres lésbicas para comemorar o Dia do Orgulho

A vítima de homofobia registrou a conversa com o gerente da loja

Ainda de acordo com Amanda, a funcionária então abriu o provador para chamar sua atenção. “Ela colocou o braço dentro do provador e abriu a cortina, enquanto eu estava sem roupa, e me disse; ‘o seu [provador] é do outro lado’. Perguntei por quê, e ela olhou para o meu rosto, meu corpo, viu que eu não era homem e pediu desculpas. Ela disse que um segurança me viu pela câmera e avisou que tinha um ‘homem’ entrando no provador feminino”, relata a engenheira civil.

– Quem é Claudia Lopez, a lésbica que fez história ao se eleger como prefeita em Bogotá

A cliente conta que saiu da cabine e procurou o gerente da loja para pedir um posicionamento, depois de ter a privacidade invadida – ela gravou toda a conversa pelo celular. O gerente pediu desculpas pelo ocorrido e disse que entraria em contato com a funcionária responsável.

“Isso é uma coisa que nunca aconteceu aqui na loja. A gente passa um treinamento para o pessoal falando sobre todos esses problemas, todas essas situações que acontecem. Vou conversar com os colaboradores, entender o que aconteceu. A gente já falou várias vezes sobre diversidade aqui na loja, é uma coisa que a Renner valoriza muito. O que posso fazer é conversar com o pessoal e advertir sobre essa situação”, diz o gerente no vídeo.

– Vintage Lesbian: perfil no Pinterest reúne fotografias e ilustrações da cultura lésbica do passado

Amanda conta que já havia sido confundida com um homem antes, mas que esta situação foi diferente por causa da invasão de privacidade que ocorreu. Em resposta ao site BHAZ, a Renner informou que “não tolera qualquer tipo de preconceito e discriminação”. Confira a declaração:

– Para ministra Damares, Frozen é lésbica: ‘Vive sozinha em seu castelo de gelo’

“A Lojas Renner não tolera qualquer tipo de preconceito e discriminação. A empresa sente pelo ocorrido, já entrou em contato com a cliente e está apurando o caso internamente para tomar as medidas cabíveis“.

Publicidade

Fotos: Reprodução / Twitter


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.