Inspiração

Incentivei meus amigos a ajudarem uma entidade beneficente. E vou te convencer também

Rafael Oliver - 09/08/2021 | Atualizada em - 20/08/2021

Em março de 2020, quando tudo começou por aqui, percebi que muitas pessoas já estavam sendo afetadas pela pandemia. E que nos encontrávamos muito longe da volta ao  “normal”. No início, a preocupação maior era só com os idosos, lembram? Assim como muitos, tentei  ajudar de alguma forma: me ofereci aos vizinhos mais velhos para ir ao supermercado fazer compras no lugar deles, sempre tomando muito cuidado. 

Inspirado por outros movimentos que acompanhava nos noticiários, criei um grupo de ajuda no WhatsApp para moradores do bairro onde vivo, incentivando outras pessoas a fazerem o mesmo. Deu certo. Fiz outro grupo, então. E percebi que, conforme  a pandemia evoluía, a solidariedade também contaminava mais gente. Iniciativas se espalhavam por outros bairros, cidades, pelo Brasil inteiro.   

Se há uma coisa positiva que aprendemos é que o mundo está cheio de pessoas de coração enorme e super criativas na hora de ajudar o próximo. Mas, como vocês já sabem a continuação dessa história, a pandemia não acabou. Já estamos em agosto de 2021… O Brasil é hoje um dos países mais afetados. 

Muitas famílias continuam tentando se restabelecer. O número de pessoas em situação de rua nas grandes cidades cresceu nesse período. Para muitos, é impossível ignorar. Eu me incluo nesse grupo (e se está lendo até aqui, tenho certeza que se inclui também). Por isso, pensei em uma nova forma de ajudar os que estão passando fome, tentando convencer mais gente a fazer o mesmo. E adivinha? Novamente utilizando o WhatsApp.

 

 

Convidei amigos próximos e familiares para fazerem doações, arrecadando o valor pelo próprio aplicativo. Eles ainda não sabiam, mas agora é possível enviar e receber dinheiro direto na conversa, sem taxas. E é seguro, tem até PIN pessoal e biometria para proteger os dados. 

Modéstia à parte, foi uma ótima tática. Todos aceitaram. Eles sempre estão online e o procedimento é  fácil e rápido: foi só cadastrar o cartão de débito Mastercard e pronto.  Em segundos a doação foi feita, sem sair do app. A gente escolheu a ONG Ação Cidadania, que ajuda milhares de brasileiros em situação de pobreza e fome. 

 

 

Ah, também preciso confessar outro bom motivo que contei  para convencer todo mundo: a cada transferência com a Mastercard pelo WhatsApp, uma doação é feita aos mais afetados pela pandemia. É um projeto criado pela Mastercard chamado “Movimento Faça Parte”, que já doou mais de 23 milhões de refeições para pessoas em situação de vulnerabilidade social. 

Sinceramente, fiquei feliz em conseguir mobilizar mais gente e continuar fazendo um pouco mais. E também espero que, assim como meu pai, minha mãe, a minha namorada e os meus amigos, eu consiga ter te convencido também. 

E te faço um convite: convença outras pessoas. Vamos espalhar ainda mais essa onda de amor e esperança para que a gente passe por isso da melhor forma possível. 

Publicidade

Fotos: Reprodução


Rafael Oliver
Publicitário de formação, com passagens por grandes agências, também atua por vocação na área da comédia. É redator, roteirista e humorista . Encontrou em San Diego, na Califórnia, seu segundo lar. Está sempre por lá. Vive uma busca incessante por novas experiências. E está longe de parar.