Diversidade

Indivíduo não binário estava enterrado em túmulo medieval encontrado na Finlândia

Redação Hypeness - 13/08/2021

Um estudo publicado European Journal of Archaeology mostrou que um famoso túmulo medieval descoberto durante os anos 60 na Finlândia era de uma pessoa não-binária. Pesquisadores haviam percebido que a figura – que aparenta ser de uma pessoa da nobreza finlandesa – era adornada por objetos fúnebres comum ao gênero feminino e masculino, mas não haviam sequenciado o DNA do indivíduo.

– A imperatriz romana transgênero convenientemente apagada da história 

Os resultados mostraram que o indivíduo enterrado possuía um material genético que não era XX (feminino) ou XY (masculino). A pessoa possuía genes XXY, indicando que seu sexo biológico era indefinido, em algo chamado como síndrome de Klinefelter, onde o sujeito aparenta ter corpo masculino, mas pode apresentar seios avantajados e infertilidade.

Túmulo da idade média mostra figura com gênero fluido em sociedades pré-cristãs na Finlândia; caso evidencia que a história está repleta de figuras LGBTQIA+

O indivíduo utilizava roupas femininas, mas seu túmulo estava repleto de armas associadas a enterros de homens naquela época. Assim, os pesquisadores presumem que ele tivesse uma identidade fluida de gênero.

– Masculino, feminino ou nada disso: nesses lugares, o terceiro gênero é uma realidade perfeitamente aceita 

“Se as características da síndrome de Klinefelter  estivessem evidentes, é bem provável que esse indivíduo não fosse visto estritamente como um homem ou uma mulher nas comunidades dos primeiros séculos da Idade Média”, explica a pesquisadora Ulla Moilanen, uma arqueóloga da Universidade de Turku, na Finlândia. Ela foi uma das responsáveis pela pesquisa.

Segundo Moilanen, as joias e outros objetos encontrados no túmulo dessa pessoa indicavam que ela pertencia às classes mais altas da sociedade que habitava a Finlândia. Segundo os pesquisadores, há evidências de que figuras com gênero fluido eram associadas a mágicos e feiticeiros dentro de comunidades nórdicas na Idade Média.

– Dr. Anonymous: o 1º psiquiatra a se levantar contra a patologização da homossexualidade nos EUA 

“Essa pesquisa está muito bem fundamentada e mostra um interessantíssimo caso, que demonstra que as primeiras sociedades medievais tinham uma abordagem repleta de nuances para compreender identidades de gênero”, afirma Leszek Gardeła, arqueólogo do Museu Nacional da Dinamarca ao Live Science. Ele não participou do estudo.

Publicidade

Fotos: Reprodução da Agência Finlandesa do Patrimônio/ Veronika Paschenko


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.