Ciência

Leão das cavernas encontrado na Sibéria tem 28 mil anos e dá pistas sobre evolução da espécie

Redação Hypeness - 06/08/2021

Pesquisadores da Suécia encontraram um espécime de leão das cavernas com 28 mil anos de idade. O animal, que estava congelado, foi encontrado entre 2017 e 2018 por caçadores da Sibéria, e não estava fossilizado. Os cientistas chamaram pequeno leão de ‘Sparta’.

O animal é da mesma espécie que um outro espécime encontrado na mesma região, Boris. Entretanto, esse outro leão das cavernas havia morrido há 38 mil anos, confirmaram as datações. Agora, os cientistas farão estudos comparativos para entender a evolução entre os animais, que tem mais de dez mil anos de diferença entre si. Os leões das cavernas estão extintos há 14 mil anos.

Leia também: Fóssil de 1 bilhão de anos esconde resposta sobre evolução dos animais

Praticamente intacto, animal pode ser chave para compreensão sobre espécie que foi extinta há mais de 14 mil anos; animal não foi vítima de predadores e pesquisadores ainda tentam entender a causa de sua morte

Os pesquisadores se assustaram com o estado de preservação de Sparta. O leão das cavernas está coberto de lama, mas seus pelos estão extremamente conservados. Segundo os cientistas, os órgãos estão mumificados, mas ainda podem ser estudados. Até as garras do pequeno felino estão afiadas.

Veja: Filhote de 18 mil anos achado congelado na Sibéria pode ser cão mais velho do mundo

“Sparta é provavelmente o animal da Idade do Gelo mais bem preservado já encontrado e está mais ou menos intacto, exceto o pelo que está um pouco bagunçado. Ela até preservou os bigodes. Boris está um pouco mais danificado, mas ainda assim é muito bom”, explica Love Dalen, professor de genética evolutiva no Centro de Paleogenética em Estocolmo, Suécia, à CNN. Dalen é um dos responsáveis pelo artigo que estudou Sparta.

– Fóssil de cérebro de 310 milhões de anos é encontrado em bom estado de preservação

Estudos preliminares mostravam que o pelo dos leões das cavernas são extremamente similares aos dos leões africanos, a diferenciar somente sua espessura: a pelagem dos felinos encontrados nas regiões mais frias eram bem mais grossos, mostrando uma adaptação maior às temperaturas mais frias encontradas na Sibéria.

A Sibéria passa pelo processo de degelo do permafrost, camada do solo inteiramente congelada que conserva muitos animais. Explicamos o que esse derretimento representa nesse artigo:

– Derretimento de geleiras libera gases tóxicos, vírus e bactérias causadores de doenças antigas

A região tem sido alvo de estudos de pesquisadores do mundo todo por seu potencial para revelar informações sobre o passado do nosso planeta. A descoberta de Sparta e Boris representa o que isso significa.

“Dada a sua preservação, eles devem ter sido enterrados muito rapidamente. Então, talvez tenham morrido em um deslizamento de terra ou caíram em uma rachadura no permafrost. O permafrost forma grandes rachaduras devido ao degelo e congelamento sazonal”, explica Love Dalen.

Agora, a missão dos cientistas é sequenciar o DNA de Sparta. Através desses dados, os pesquisadores serão capazes de estimar o tamanho da população de leões das cavernas na época de sua morte, além de poder comparar as diferenças genéticas entre ele e Boris. O estudo foi publicado na revista Quarternary.

Publicidade

Foto: Reprodução/Twitter/ Centre for Palaeogenetics (CPG)


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.