Ciência

Mulher com ‘picada de mosquito’ nas costas tinha larvas crescendo no corpo

Redação Hypeness - 17/08/2021

Sem saber, uma norte-americana voltou para os Estados Unidos após uma viagem à Colômbia com uma “bagagem extra”. Seis larvas de mosca-varejeira (Dermatobia hominis) estavam crescendo em suas costas e nádegas, em buracos que ela acreditava se tratarem de “picadas de mosquito”. 

De acordo com publicação do New England Journal of Medicine, feita na última semana, o caso é de uma senhora de 62 anos, que buscou atendimento em uma clínica dermatológica local com seis nódulos espalhados pelo corpo e reclamando de uma sensação parecida com a de estar sendo picada. Os profissionais de saúde suspeitaram de uma infecção bacteriana e recomendaram medicações específicas para este tipo de tratamento, mas o quadro da paciente não apresentou melhora. 

– Italianos podem ser multados em mais de R$ 300 mil por venda de queijo com larvas

– Abelha é encontrada intacta em âmbar de 100 milhões de anos

Mulher com ‘picada de mosquito’ nas costas tinha larvas crescendo no corpo

Ela contou, em uma nova consulta, que havia estado recentemente em outro país e acreditava ter sido picada por mosquitos durante a viagem até a Colômbia. Foi então que os médicos passaram a suspeitar da natureza do incômodo no corpo da paciente. Depois de uma série de exames, os profissionais notaram que alguma substância estava vazando das “marcas de picada” — e que algo estava se movendo dentro delas.

– Cientistas descobrem como as larvas podem ajudar a reduzir os resíduos de isopor no mundo

O nome dado a infecção de pele causada por larvas de mosca é “miíase” e ocorre quando ovos do animal entram em alguma ferida presente na pele do hospedeiro. A hipótese da picada de mosquito não deve ser totalmente descartada, pois geralmente é o “furo” provocado por eles que abre espaço para que as larvas infiltrem seus ovos.

O nome dado a infecção de pele causada por larvas de mosca é “miíase”

Para tratar o problema na paciente norte-americana, os médicos administraram anestésicos e retiraram as seis larvas de maneira cirúrgica. Após uma semana, o procedimento resultou em “lesões parcialmente resolvidas e redução de 70% dos sintomas”, segundo a paciente. 

Publicidade

Fotos: Divulgação/New England Journal of Medicine


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.