Ciência

Mulher que viveu há 14 mil anos teve restos mortais encontrados em caverna

Redação Hypeness - 17/08/2021

A Cova Gran, no município Lleida de Avellanes Santa Liña, na Espanha, guarda entre os sedimentos a história dos humanos que ali viveram nos últimos 50.000 anos. Desde 2002, pesquisadores encontraram milhares de pedaços de objetos variados, mas nunca restos de seres humanos. Até ano passado, quando a equipe encontrou em uma área de dois metros de profundidade, alguns ossos de um sapiens que viveu há cerca de 14 mil anos. Seu nome: Linya, a mulher de La Noguera.

Mulher que viveu há 14 mil anos teve restos mortais encontrados em caverna

Desde que começou a trabalhar neste local, a equipe do Centro de Estudos do Patrimônio Arqueológico da Universidade Autônoma de Barcelona realizou levantamentos para contrastar o potencial arqueológico do local e, em seguida, elaborou projetos de pesquisa. Os estudos arqueológicos apontam que o depósito sedimentar se formou em menos de um milênio, entre 14.400 e 13.500 anos atrás.

“Em uma dessas sondagens, a dois metros de profundidade, apareceram esses restos humanos”, explica Rafael Mora, professor do Departamento de Pré-história da UAB e pesquisador do CEPARQ. A primeira caracterização paleoantropológica realizada indica que a cintura pélvica corresponde a uma mulher adulta, possivelmente de pequeno porte.

Os restos mortais estão localizados em um espaço considerado um receptáculo natural, delimitado por vários grandes blocos, o que mais chama a atenção dos pesquisadores sobre a posição de Linya.

“Se for um sepultamento intencional, significa que esses grupos colocam os mortos em um local, com ou sem sepulturas [estão investigando], mas colocam. Encontramos estruturas de blocos naturais, que funcionam como cornija, e vemos que o indivíduo foi colocado logo abaixo pela disposição dos fêmures, apoiado diretamente no chão, deitado. Além disso, acreditamos que provavelmente o protegem com elementos do tipo planta ”, diz Mora.

Promessa de mais descobertas na Cova Gran

A descoberta de vestígios humanos na Península Ibérica atribuídos ao Paleolítico Superior Superior (entre 20.000-12.000 anos) é escassa. Nesse sentido, Cova Gran será a chave para entender melhor como eram anatomicamente e de onde vieram as populações caçadoras-coletoras de homo sapiens no final do Pleistoceno.

A Cova Gran de Santa Linya, descoberta em 2002, é uma jazida com mais de 2.500 metros quadrados, considerada chave para o estudo da presença humana no nordeste da Península Ibérica. “O local tem 50.000 anos de história, reúne registros desde os Neandertais ao Neolítico. Prevemos que haverá pesquisas no local pelos próximos cem anos, porque ele não foi tocado ”, explica Mora.

Não houve picareta e pá e isso é uma vantagem porque sempre trabalhamos com tecnologia de ponta, que permite aos arqueólogos reconstruir em 3D a disposição de todos os elementos encontrados na escavação.

Publicidade

Fotos: divulgação UAB


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.