Inspiração

Padre Julio Lancelotti: a trajetória do pároco defensor dos direitos humanos

Redação Hypeness - 09/08/2021

Conhecido pelo trabalho social por meio da Pastoral do Povo da Rua de São Paulo, o padre Julio Lancellotti foi alvo de críticas da deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP). Em uma série de tweets, a parlamentar reprovou o ato humanitario do pároco, que distribui comida às pessoas em situação de rua. Sim, é isso mesmo que você leu. 

Para Janaína, “a distribuição de alimentos na Cracolândia só ajuda o crime. O padre e os voluntários ajudariam se convencessem seus assistidos a se tratarem e irem para os abrigos”, disse. A deputada se refere ao fato de que o Centro da capital paulista, na região da Cracolândia, é um dos principais pontos de atuação do padre Julio. 

Leia também: Eles foram à Cracolândia para lembrar que todo dependente químico tem uma história de vida

O padre usou as redes sociais para alfinetar Janaina e agradecer o apoio dos fiéis

Cadê a humanidade?

Os posts de Janaína são uma resposta a uma denúncia do padre sobre a intimidação da Polícia Militar contra agentes da pastoral no bairro da Luz. Segundo Lancelotti, os PMs tentavam impedir a entrega de comida aos moradores de em situação de rua no local. 

– Padre Julio Lancellotti revela doação de R$ 1,5 mi de Paulo Gustavo para a caridade

O posicionamento da deputada recebeu críticas e, neste domingo (8), ela voltou às redes sociais para defender seu ponto de vista. “Há anos, todos reclamam da Cracolândia, mas ninguém tem coragem de olhar para as ações que findam por colaborar para que aquela região siga assim. Alimentar no vício só estimula o ciclo vicioso! Peço que pensem a respeito!”, escreveu.

Após a repercussão, o padre Lancellotti se pronunciou por meio de vídeo, agradecendo o apoio que tem recebido pelas redes sociais e também de ativistas que atuam ao seu lado nas ruas. Ele destacou o papel da fraternidade.

“Objetivo não é distribuir comida, mas ser alimento, força e esperança para aqueles que estão esquecidos, marginalizados e excluídos”, destacou o padre Julio. 

 

Já a Secretaria de Segurança Pública (SSP) enviou uma nota ao G1 para adereçar a postura da Polícia Militar diante do trabalho da Pastoral.

“A SSP informa que as forças de segurança paulista atuam diariamente no centro da cidade de São Paulo, inclusive na região da Nova Luz, para garantir a segurança da população e combater todas as modalidades criminosas. O efetivo da PM realiza no local o policiamento preventivo e ostensivo, com o emprego de bases comunitárias móveis, equipes de radiopatrulhamento de duas e quatro rodas, Cavalaria, Baep, equipes de Força Tática e Rocam, além do uso de drones para mapear a área e traçar novas ações. A Polícia Civil também atua no local, por exemplo, com a Operação Caronte, realizada pela 1ª Seccional, que prendeu suspeitos envolvidos com o tráfico de drogas e apreendeu de mais de 3,5 quilos de entorpecentes. As polícias paulistas são instituições legalistas, que respeitam e obedecem o Art. 5°, inciso XV, da Constituição Federal: é livre a locomoção no território nacional em tempo de paz, podendo qualquer pessoa, nos termos da lei, nele entrar, permanecer ou dele sair com seus bens. De qualquer forma, a Corregedoria da instituição está à disposição para receber todas as denúncias com relação às abordagens policiais.”

– Padre Julio Lancellotti quebra a marretadas pedras em viaduto ‘anti-sem-teto’ de SP

Padre ativista 

Para contar a história de vida do Pare Júlio Lancellotti, o diretor argentino Carlos Pronzato escolheu o título “Fé e Rebeldia” para o documentário disponível gratuitamente no Youtube. O filme faz jus a fama de ativista de Lancelotti  e mostra o trabalho do pároco da Igreja São Miguel Arcanjo, no bairro da Mooca em São Paulo. 

– SP gasta R$ 400 mil com fuzis para GCM e Padre Julio Lancellotti classifica ato como ‘desumano’

Sempre questionado por estar ao lado de líderes de outras religiões, de pessoas LGBTQIA+ e de outros grupos considerados vulneráveis, Lancelotti afirma: “estou do lado que Jesus queria que eu estivesse”, como fez em uma entrevista recente ao site da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). 

Defensor dos direitos humanos, o padre está sempre nas ruas e, como consequência, também sempre vira manchetes de jornais. Recentemente sua denúncia contra a violência da Polícia Militar contra sua pastoral provocou debates, assim como as ações com moradores de ruas, que são constantes. 

Já em fevereiro deste ano, o padre removeu, a marretadas, pedras colocadas no Viaduto Dom Luciano Mendes de Almeidas, na zona leste de São Paulo. As obras faziam parte de uma medida para afastar moradores de rua em busca de abrigo mas, com a repercussão, do ato de Lancellotti, a gestão da cidade, ainda sob o comando de Bruno Covas (PSDB), desfez a obra.

O padre também causou comoção quando publicou, em seu Instagram, duas fotos ao lado de uma mãe de santo, que ainda não teve o nome revelado, doando refeições para pessoas em situação de rua, bem no início da pandemia do coronavírus no Brasil. Ele também é conhecido por sua linguagem moderna, utilizando as redes sociais para se aproximar dos fiéis, pedindo doações para a pastoral e influenciar boas ações daqueles que o seguem. 

Publicidade

Foto 1: Reprodução / Instagram
Foto 2: Fotos Públicas


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.