Fotografia

A verdade por trás das fotos de um suposto Afeganistão moderno nos anos 1970

Redação Hypeness - 27/09/2021 | Atualizada em - 30/09/2021

Uma foto de três mulheres afegãs sorridentes caminhando pelas ruas de Cabul com minissaia é conhecida pela internet. A foto, tirada nos anos 1970, voltou a ganhar as redes sociais após a ascensão do Talibã ao poder como prova de que o Afeganistão já viveu dias menos opressores com relação às mulheres

– Afeganistão: como domínio Talibã afeta mais mulheres e garotas

A foto tirada por Laurence Brun, no Afeganistão, em 1972.

No entanto, a fotógrafa que fez o clique conta que a história não é bem essa. A francesa Laurence Brun caminhava pelo bairro de Chahr-e-Nao, na região central de Cabul, quando se deparou com a cena das três amigas. 

Eu tirei em 1972. Enquanto estava andando na rua, o que vejo acontecendo na minha frente? Três garotas de saias curtíssimas. Não pude acreditar no que eu via porque era algo bastante incomum. Foi então que peguei minha câmera e fiz a foto“, relembra Brun, em entrevista concedida ao “Le Monde”.

A imagem pode ser encontrada nas redes sociais com facilidade e é constantemente usada pela extrema direita. Ela se tornou tão conhecida que, dizem, em 2017, foi usada por um general americano para convencer o ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a não retirar as tropas americanas do país. 

– Talibã: a fuga cinematográfica da ‘Kardashian afegã’, que escapou a bordo de cargueiro dos EUA

Fiquei muito envergonhada de que ela tenha sido usada para esse fim“, observa a fotógrafa.

Ela conta que, quando tirou a foto, logo pensou que teria que tirar outra, com as mulheres de véu, para exibir as duas lado a lado. “Ver três meninas de minissaias e fazer esse recorte de forma isolada pode confundir. Mas isso é o que aconteceu e ainda acontece hoje”, explica. 

Na história afegã, houve sim uma época em que a “modernidade ocidental” chegou ao país, mesmo que em pequena escala. O rei Mohammed Zahir Shah, que governou o país de 1933 a 1973, estimulou que as mulheres deixassem de usar o chadri, conhecida como burca em português, mas isso passou longe de transformar a realidade local. 

Fake news e distorção dos direitos das mulheres

A fake news criada com a foto tirada por Laurence é apenas mais um exemplo de como elementos reais são distorcidos para se encaixar em um discurso. Por outro lado, há de se observar também que há uma outra questão relevante a se falar: a de que modernidade nenhuma pode ou deve ser medida pelo comprimento da saia de uma mulher. 

Traçar paralelos entre o quanto as afegãs mostram do corpo e relacioná-los aos direitos das mulheres só mostra o quão enraizada no machismo estrutural ainda estamos. 

O Hypeness mesmo, em 2014, publicou uma matéria mostrando como o Afeganistão era antes das imposições religiosas e o nascimento do Talibã. A nota infeliz mostrava fotos de um Afeganistão vinculado a uma imagem de modernidade, avanços sociais e pacificação, algo que diferiria dos cenários mais recentes de “abandono e destruição causados pelas guerras”. Por isso, pedimos desculpas.

 

Publicidade

Fotos: Getty Images/Laurence Brun


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.