Sustentabilidade

Balneário Camboriú ergueu prédios que taparam o sol e agora faz obra bizarra para aumentar praia

Vitor Paiva - 02/09/2021 | Atualizada em - 09/09/2021

Para tentar contornar o impacto do crescimento desenfreado e das construções desproporcionais à beira da praia em Balneário Camboriú, no litoral de Santa Catarina, a prefeitura da cidade começou uma imensa obra para devolver à paisagem aquilo que sempre existiu naturalmente: uma faixa de areia larga, e o direito ao sol na famosa praia catarinense. Após poucos dias de trabalho realizado com uma megaestrutura para o alargamento, as alterações na paisagem da praia central já são visíveis, em obra que pretende triplicar a faixa de areia perdida ao longo do desenvolvimento da cidade.

Obras de ampliação da faixa de areia em Balneário Camboriú

Em dois dias as mudanças provocadas pela obra já eram visíveis em Balneário Camboriú © Prefeitura de Balneário Camboriú/Divulgação

-Última praia intocada de Balneário Camboriú será leiloada na segunda-feira

Os imensos arranha-céus construídos ao longo dos últimos 70 anos na avenida à beira-mar não só passaram a criar uma grande sombra em partes do dia sobre a praia em Balneário Camboriú, como foram encurtando a dimensão da faixa de areia: atualmente, são 25 metros entre a avenida e o mar. Segundo a prefeitura, a intenção da obra é que o trecho retome sua antiga dimensão, e chegue a cerca de 75 metros de espaço, com possibilidade de retração de 5 metros após assentamento ao fim da obra, prevista para ser concluída em novembro.

Praia de Balneário Camboriú nos anos 40

A mesma faixa de areia durante a década de 40 © Arquivo Histórico de Balneário Camboriú/Divulgação

-Casas engolidas por dunas em Santa Catarina estão em área de preservação

A areia utilizada para a ampliação é retirada pela draga Galileo Galilei, em navio de origem belga, de uma jazida localizada a cerca de 15 km da praia a 40 metros de profundidade: uma tubulação submersa conclui o trabalho da draga, fazendo a areia chegar ao local. A estrutura funciona 24 horas por dia e, segundo dados da prefeitura, nos primeiros dois dias de trabalho foram deslocados 120 mil metros cúbicos de areia – a estimativa é de que, ao fim da ampliação, sejam utilizados 2,155 milhões de metros cúbicos de areia.

Praia de Balneário Camboriú na década de 70

Na década de 70 a faixa de areia na cidade catarinense ainda era ampla © Prefeitura de Balneário Camboriú/Divulgação

-Erosão provoca avanço do mar e reduz território de São Paulo

No navio, 28 funcionários trabalham tripulados para operar a maquinaria da draga, cujo ciclo permite quatro viagens diárias para extração da areia do fundo do mar. Segundo um dos engenheiros que acompanham a obra, a diferença na tonalidade da areia extraída, mais escura que o restante da faixa, se dá pelo fato da areia extraída estar molhada, mas que em poucos dias e com a ajuda do sol a coloração ficará homogênea por toda a praia. Especialistas garantem que a obra não causa impacto ambiental, mas o aparecimento de uma grande quantidade de conchas nas areias levantou a suspeita de desequilíbrio.

Obra na praia de Balneário Camboriú

A obra tem custo total estimado de R$ 67 milhões e previsão de encerramento de novembro © Prefeitura de Balneário Camboriú/Divulgação

-Mortes de baleias e golfinhos em Santa Catarina preocupa cientistas

Nas redes, a dimensão e complexidade da obra rapidamente viraram tema de comentários e debates, principalmente pelo fato de uma megaestrutura e um esforço tão grande estar sendo realizado para realização de algo que antes existia naturalmente – em seu perfil no Twitter, por exemplo, o jornalista André Trigueiro chamou a iniciativa de “piada pronta”. Uma série de fotografias e registros do arquivo da cidade e da prefeitura mostram como era naturalmente a praia em Balneário Camboriú desde os anos 1940 até poucas décadas atrás: exatamente nas dimensões que ficará após a obra com previsão de custo total de R$ 67 milhões.

Os imensos arranha-céus na orla de Camboriú

Os imensos arranha-céus na orla de Camboriú antes do início das obras © Getty Images

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.