Criatividade

Drinks e hot-dog: o que países oferecem para pessoas se vacinarem contra covid

Vitor Paiva - 03/09/2021

Uma pandemia é, por definição, um problema coletivo, e da mesma forma é sua solução: tomar a vacina, portanto, não é simplesmente uma decisão individual, mas sim a participação do indivíduo em uma atitude comunitária para proteger ao próximo e ao quadro geral da cidade, do país, e mesmo do planeta. É por isso que todo esforço para incentivar a adesão à vacinação é bem-vindo, e em diversos países tal mote foi tornado em campanha efetiva, e recompensas variadas passaram a ser oferecidas a quem desse o braço para receber as doses necessárias e se proteger da Covid-19.

Vacina contra a Covid-19

Problemas de adesão à vacinação vem sendo notados em todo o mundo © Getty Images

-Terceira dose da vacina contra a covid confirmada para setembro; confira calendário

Pois assim como o desrespeito aos protocolos agravam o quadro atual por todo o planeta, o mesmo acontece em escala global com os conspiratórios de plantão, que pelos mais descabidos e preocupantes motivos, decidem não se vacinar. Para combater mais esse problema, na Alemanha foram realizados recentemente verdadeiros eventos de vacinação, que vararam a noite com direito a DJ e distribuição gratuita de cachorro-quente e drinques para quem se vacinasse pela madrugada – quem viesse de manhã recebia uma bebida não alcoólica como brinde. Os locais de vacinação se espalharam por diversos pontos do país, e na cidade de Bruchsal, um posto localizado em um parque de diversões oferece uma volta gratuita na roda-gigante em troca de uma dose de vacina.

Loja estadunidense oferece um donut para quem comprovar a vacinação completa

Loja estadunidense oferece um donut para quem comprovar a vacinação completa © Shutterstock

-Nos EUA, 99% de mortes por covid são de pessoas que não se vacinaram

Como se a própria vacina já não fosse o prêmio, em alguns países a oferta em troca da agulha foi ainda mais criativa e surpreendente: no distrito rural de Mae Chaem, na Tailândia, a compensação para quem tomar uma dose vem na participação automática em uma rifa, que ao fim da semana sorteia nada mesmo que uma vaca. Já na Holanda, o departamento de saúde de Haarlem, cidade nos arredores de Amsterdam, quem for se vacinar pode se inscrever para participar de uma série de encontros às cegas: sim, em troca da vacina quem quiser pode sair em um date, com o devido distanciamento e outros protocolos, é claro.

Na capital dos EUA um grupo foi às ruas oferecer um baseado para quem comprovasse ter se vacinado

Na capital dos EUA um grupo foi às ruas oferecer um baseado para quem comprovasse ter se vacinado © DC Marijuana Justice/divulgação

-Antivacina morto pela covid tirou foto com respirador para mostrar arrependimento

Na Romênia o prêmio foi comida; em Hong Kong a rifa foi além, e voucher foram oferecidos para concorrer a compras, viagens de avião e até um apartamento, e nos EUA, um dos países mais afetados pelos negacionistas, os prêmios para os vacinados variaram entre cerveja gratuita, dinheiro, donuts, sorteios de viagens em cruzeiros, ingressos para shows e partidas esportivas e até cannabis comestível, oferecida no estado do Arizona, ou um baseado devidamente enrolado dado por uma loja especializada no estado do Michigan.

arraial da divulgação no Maranhão

O “arraial da vacinação” aconteceu em diversas edições espalhadas pelo estado do Maranhão © Governo do Maranhão/divulgação

-Com novo aumento e salários de R$ 5,3 mil, Maranhão terá professores mais bem pagos do Brasil

No Brasil, virou notícia o “arraial da imunização”, realizado pelo governo Flavio Dino (PCdoB) no Maranhão, que distribuiu mingau de milho para quem foi se vacinar nos eventos: sorteios de prêmios em dinheiro também foram oferecidos no estado do nordeste para incentivar a vacinação.

cartão de vacinação

Em breve diversas cidades brasileiras passarão a utilizar a comprovação de vacinação para autorizar a entrada em estabelecimentos © Getty Images

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.