Estilo

Estilista cria projeto que reproduz capas de revistas de moda com pessoas com deficiência

Redação Hypeness - 14/09/2021 | Atualizada em - 16/09/2021

A estilista goiana Juliana Santos conta que, aos dez anos, já sabia o que queria ser quando crescesse. A paixão pela moda a movia e a fazia passar horas mergulhada nas páginas de revistas como a “Vogue”. No entanto, ao longo de toda a vida, Juliana percebeu que por apenas cinco vezes ela viu corpos de mulheres com deficiência nas capas dessas publicações. 

– Clubhouse é cobrado por acessibilidade para pessoas com deficiência

Rose Huntington Whiteley, à esquerda, e a estilista Juliana Santos, à direita.

Dessa indignação nasceu a vontade de criar o projeto PCDs Na Capa, que procura recriar capas de revistas famosas com pessoas com deficiência (PCD) em destaque. Entre os convidados, estão Mariana Torquato, Thatá Poloniatto, Ivan Baron e Violeta

A própria Juliana estrela uma das capas da campanha. “Minha capa e tão linda quanto a capa do lado”, escreveu a estilista em uma publicação feita no Instagram. Nela, a capa de Juliana aparece ao lado de uma capa verdadeira da “Vogue” com a modelo Rosie Huntington-Whiteley.

– Paralimpíadas: 8 expressões capacitistas para riscar do dicionário

Violeta, na capa à esquerda, e à direita a capa original da Vogue.

A produção é igual, bela modelo, belas roupas, belo cabelo, belas fotos, BELAS MÃOS? SIM BELAS MÃOS! Que carregam uma dor que eu transformei em renascimento, que me ajudam a realizar sonhos todos os dias, que saem da minha mente e se realizam em formas de vestido”, completou. 

Ao longo de setembro, influenciadores PCD vão compartilhar suas capas feitas para o projeto. A escolha do mês não foi à toa. Além de ser a época das campanhas voltadas para a saúde mental (Setembro Amarelo), há também o recorte do Setembro Verde, dedicado à inclusão social da pessoa com deficiência (PCD).

– Disney revela coleção encantadora de fantasias para pessoas com deficiência

A campanha tem o objetivo de jogar luz à importância da diversidade e da representatividade no mundo da moda. A intenção é incentivar que mais pessoas participem do projeto e façam também suas capas com muito orgulho. 

A empreendedora Stephanie Marques, que tem mais de 22 mil seguidores no Instagram, espera que a campanha abra os olhos de grandes marcas e veículos jornalísticos de moda. “Stephanie na capa da Vogue falando sobre moda inclusiva? Ainda é um sonho, mas quem sabe um dia vira realidade.⁣ Torço pra que esse dia chegue logo e as grandes marcas e mídias realmente sejam inclusivas em atender todos as minorias”, escreveu em seu perfil o Instagram. 

Stephanie Marques, à esquerda, e Rihanna.

Publicidade

Fotos: PCD em Capas/Vogue


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.