Diversidade

Não-binário: culturas nas quais há outras formas de vivenciar o gênero para além do binário?

Redação Hypeness - 08/09/2021 | Atualizada em - 10/09/2021

Pessoas não-binárias, que não se classificam exclusivamente em nenhum dos dois gêneros – masculino ou feminino, enfrentam o impacto de uma sociedade que insiste em limitar as pessoas nessas caixas. Mas se isso acontece no Brasil, EUA e na Europa, existem culturas onde vivenciar o gênero vai muito além do binário.

Por muito tempo, as pessoas foram categorizadas pela genitália com a qual nasceram. Mas cada vez mais estão começando a reconhecer que podem não se encaixar perfeitamente em nenhuma dessas duas categorias. Ainda que conceitos de terceiro, quarto, quinto e intergênero estejam começando a ganhar força no mundo ocidental, existem muitas culturas que têm uma tradição mais longa de abraçar essas idéias.

“Sempre estivemos aqui”, disse a autora Dianna E. Anderson ao The Washington Post. “Ser não-binário não é uma invenção do século 21. Podemos apenas ter começado a usar essas palavras, mas isso é apenas colocar uma linguagem para um gênero existente que sempre existiu”.

Gêneros e apresentações de gênero fora da ideia fixa de homens e mulheres há muito são reconhecidos e às vezes elogiados. O faraó egípcio Hatshepsut foi inicialmente retratado como uma mulher, mais tarde mostrado musculoso e usando uma barba postiça. O Amigo Público Universal foi um profeta sem gênero documentado pela primeira vez em 1776.

Após a escavação inicial do túmulo em Suontaka Vesitorninmaki, Hattula, Finlândia, em 1968, os pesquisadores interpretaram seu conteúdo como evidência potencial de guerreiras no início da Finlândia medieval. A combinação conflitante de artefatos confundiu tanto alguns que eles se voltaram para teorias agora desmentidas, como a de que pode ter havido duas pessoas enterradas no túmulo.

Muxes de Juchitán de Zaragoza

Na pequena cidade, localizada ao sul do estado de Oaxaca, no México, vivem os muxes – pessoas nascidas no corpo de um homem, mas que não se identificam nem como mulheres nem como homens. Os muxes fazem parte da cultura milenar e são bem conhecidos na cidade e na cultura.

Tradicionalmente, os muxes seriam admirados por seu talento no bordado, penteado, culinária e artesanato. No entanto, Naomy Mendez Romero, que compartilhou sua fotografia e sua história com o New York Times, é uma engenheira industrial – desafiando os limites dos muxes ao entrar em uma carreira vista com mais frequência como homem.

Muxes no México por Shaul Schwarz/ Getty Images

 

Lhamana de Zuni (Novo México)

Para muitas culturas nativas da América do Norte, os indivíduos transgêneros são conhecidos como “dois espíritos” ou lhamana. Nesta tribo nativa americana, We’wha – o lhamana mais famoso nasceu em corpo masculino – usava uma mistura de roupas masculinas e femininas.

John K. Hillers/Sepia Times/Universal Images Group via Getty Images

 Fa’Afafines de Samoa

Na cultura tradicional de Samoa, os meninos que nascem em corpos masculinos mas se identificam como femininos são conhecidos como Fa’Afafines. Eles são totalmente aceitos na cultura samoana, enquanto na cultura ocidental o conceito pode ser difícil de entender.

A identidade de gênero na cultura Samoana é tão simples quanto ser aceita pela sociedade se você disser e sentir que é homem ou mulher. Esta é uma norma social com a qual o resto do mundo pode aprender.

Foto: Olivier CHOUCHANA/Gamma-Rapho via Getty Images

Hijras no sul da Ásia

Infelizmente, os Hijras são menos aceitos pela sociedade no Paquistão, Índia e Bangladesh. Os hijras se identificam como mulheres nascidas em corpos masculinos. Eles têm sua própria língua antiga, o hijras farsi, e serviram aos monarcas nas regiões do sul da Ásia por séculos. Hoje, eles são principalmente forasteiros em suas comunidades, excluídos de muitas oportunidades econômicas.

Apesar da marginalização do resto do mundo, a quem eles se referem como “dunya daar”, os Hijras preservam sua própria língua e cultura onde o gênero não conhece fronteiras.

Hijas por Zabed Hasnain Chowdhury/SOPA Images/LightRocket via Getty Images

 

Sekrata em Madagascar

Em Madagascar, para o povo Sakalava, o povo reconheceu um terceiro gênero chamado Sekrata. Os meninos nas comunidades Sakalava que exibem comportamento ou personalidades tradicionalmente femininas são criados pelos pais desde muito jovens.

Em vez de rotular esses meninos como gays, eles são vistos como tendo um corpo masculino e se identificando como uma mulher. A preferência sexual não é um fator para os Sakalava e criar um filho neste terceiro gênero é natural e aceito no tecido social da comunidade.

Mahu, no Havaí

Na cultura tradicional havaiana, a expressão criativa de gênero e sexualidade era celebrada como uma parte autêntica da experiência humana. Ao longo da história havaiana, “mahu” aparecem como indivíduos que identificam seu gênero entre masculino e feminino. As canções havaianas costumam conter significados mais profundos – chamados de kaona – que se referem ao amor e aos relacionamentos que não estão em conformidade com as definições ocidentais contemporâneas de papéis de gênero masculino e feminino.

Veja outras referências no post da ANTRA, Associação Nacional de Travestis e transexuais, rede de organização política de pessoas trans:

Publicidade

Fotos: Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.