Debate

Nostalgia e a busca pelo que não podemos ter

Gabryella Garcia - 17/09/2021

Nostalgia, no dicionário, é definido como um sentimento ligeiro de tristeza pela lembrança de experiências vividas no passado, além de saudade ou tristeza por algo ou alguém que já não existe mais ou que não temos mais. Por conta da tal nostalgia não é raro ouvirmos frases como “no meu tempo era melhor!”, “como o passado era bom” ou “eu era feliz e não sabia”. Para nos ajudar a entender um pouco mais sobre o que realmente é a nostalgia, por que ela é provocada, quais são os seus riscos, e também como as marcas têm se aproveitado desse momento e sentimento de saudosismo, o ‘Prosa’ convidou a especialista em tendências, Luiza Loyola, e a psicanalista, Janete Dócolas para um bate papo.

A psicanalista Janete, explicou durante a prosa, que a nostalgia é um anseio por voltar para algum lugar, experiência ou tempo, mas que causem uma certa dor. “A nostalgia é uma saudade triste, uma saudade que dói. Outro ponto é que o desamparo é uma marca da nossa condição humana e ao mesmo tempo o desamparo nos trás também um amparo, e é nessa relação de amparo que vamos construir memórias e isso acaba sendo um pano de fundo para a nostalgia”.

Graças à cultura digital e ao ritmo das mídias sociais a nostalgia cultural está extremamente em alta atualmente. O relançamento do filme Rei leão e as turnês e shows de grupos como RBD e Sandy e Junior, inclusive, ajudam a evidenciar essa tendência mercadológica. Luiza também destacou a aceleração tecnológica como algo que faz com que tudo fique velho muito rápido e reforço um sentimento de nostalgia.

McDonald’s relança brindes que todo o adulto que cresceu nos anos 90 vai querer ter

“A questão da nostalgia está sendo acelerada, então o que antes era um ciclo de 40 anos hoje está cada vez mais rápido. As marcas já estão ali de fato retomando a moda dos anos 2000 ou 2010, então são coisas qie aconteceram em um passado muito recente e alguns fatores acabam desencadeando esse sentimento afetuoso do passado que é cada vez mais de um passado bem recente“.

Medo do futuro

Luiza também falou sobre a questão da ansiedade em relação ao futuro. “Em momentos turbulentos e crises a gente vive uma certa ansiedade em relação ao futuro e essa ansiedade faz a gente se agarrar na nostalgia como um recurso e ferramenta para enfrentar essa situação e encontrar uma certa paz”.

Nessa mesma linha de recorrer ao passado, Janete também proseou sobre as recordações da infância, mas destacando que cada pessoa vai ter um registro e recordação muito singular de uma mesma época. “São estabelecidos registros muito singulares de valorização e idealização da infância e, quando adultos, esquecemos a parte difícil e trabalhosa e guardamos apenas a parte bonita, inclusive de não precisar se preocupar com a vida e as contas”.

Somos constituídos pela falta e só podemos desejar aquilo que não temos

Sandy Junior nostalgia

Depois de anos de hiato a dupla Sandy & Junior se reuniu novamente e seus shows foram embalados pela nostalgia dos fãs

Nostalgia saudável

Janete também fez questão de diferenciar a nostalgia boa, que é apenas um sentimento de saudade, daquela nostalgia que acaba sendo prejudicial. “A nostalgia boa é uma saudade que não nos impede de seguir, mas quando essa volta ao passado fica demasiada e paralisa o sujeito e faz ele começar a ficar deprimido ao ponto de não conseguir seguir é prejudicial”.

O episódio também abordou questões como tendências, revivals da moda, contextos culturais, inovações tecnológicas, produtos que voltam, atuação das marcas, tendência de buscar os opostos, conflitos de gerações e muito mais!

Ficou curioso para saber o que mais rolou nessa prosa? Então aperta o play, sinta-se em casa e vem com a gente! Ah, também guardamos dicas culturais incríveis para você nesse episódio enquanto aprecia um café com um pão quentinho!

Publicidade

Fotos: Getty Images


Gabryella Garcia
Gabryella Garcia é paulista, mulher trans, transfeminista e jornalista pela Unesp. Começou a carreira escrevendo horóscopos para o João Bidu e agora foca em escrever sobre direitos humanos e recortes de gênero. Já passou por veículos de São Paulo, Santa Catarina, Espírito Santo e também colaborou para veículos como Ponte Jornalismo, Congresso em Foco e Elle Brasil. Atualmente, além de produzir o podcast "Prosa", para o Hypeness, também colabora com o UOL. Além disso atua como voluntário no Projeto Transpor, um projeto que oferece consultoria profissional gratuita para pessoas transgêneros com montagem de um currículo assertivo, Linkedin e simulação de entrevistas de emprego.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.