Sustentabilidade

Nuvem de poeira que fez Franca desaparecer com ventos perto dos 100 km/h é explicada por especialistas

Yuri Ferreira - 27/09/2021

Uma nuvem de poeira atingiu as cidades de Franca, Ribeirão Preto e Barretos, todas em São Paulo, e Frutal, em Minas Gerais. A tempestade, que lembrou os fenômenos que ocorrem no deserto do Saara, atingiu a velocidade de 100 km/h e causou espanto na população.

Segundo meteorologistas, o fenômeno é relativamente comum quando ocorre a combinação de forte estiagem com ventos. Como se sabe, o Brasil passa por uma baixa nos índices de chuva, o que faz com que nosso solo fique mais seco. Assim, essas grandes quantidades de sedimentos se reúnem no ar e são carregadas pelos ventos que irão trazer as chuvas na primavera.

– Brasil acende alerta para crise hídrica parecida com falta de água histórica de 2014 

nuvem de poeira em franca

Tempestade de poeira em Franca (SP) aterroriza redes sociais e moradores do interior paulista

O fenômeno possui uma explicação científica: “Todos esses núcleos intensos de chuva que acontecem de forma muito isolada estão associados a grandes rajadas de vento, grandes frentes de rajada. E foi o que aconteceu ao longo dessa tarde no interior do estado de São Paulo, também em algumas cidades do Triângulo Mineiro. Alguns núcleos de chuva se formaram e antes da chuva chegar veio toda essa frente de rajada que fez com que toda essa poeira subisse e se elevasse alguns níveis mais elevados da atmosfera”, explica a meteorologista Daniela Freitas, do Climatempo, ao G1.

– ONU aponta agravamento inédito da crise climática; Brasil vive pior seca da história e Bolsonaro quer zerar imposto do diesel 

A combinação de chuvas intensas após uma longa estiagem pode, portanto, criar esse tipo de nuvem. Vale lembrar que o interior paulista por uma das maiores secas da última década, o que, inclusive, está relacionado ao aumento no preço da energia nos últimos meses.

– Apagão que ameaça Brasil pode ter explicação no desmatamento do Cerrado 

“Estávamos passando mais de cem dias consecutivos sem chuva significativa, aquela que consegue acumular mais de 10 milímetros em 24 horas, na região de Ribeirão Preto. Por conta disso, o solo na região ficou muito seco, e o retorno da chuva no último final de semana resultou num grande choque de massas de ar quente e seco. Isso intensificou bastante as rajadas de vento pela região, que chegaram a quase 100 km/h por hora e levantaram poeira”, explicou a meteorologista Doris Palma à CNN Brasil.

 

Publicidade

Fotos: Reprodução/Twitter


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.