Futuro

Partido Maori cria petição para mudar o nome da Nova Zelândia; entenda

Vitor Paiva - 21/09/2021 | Atualizada em - 23/09/2021

Representantes do Partido Maori lançaram uma petição pública no último dia 14 de setembro para mudar o nome oficial da Nova Zelândia para Aotearoa, versão do nome do país em Te Reo Mãori, idioma original e oficial da nação antes da colonização. Segundo Rawiri Waititi and Debbie Ngarewa-Packer, lideranças do Te Pāti Māori (nome no idioma do partido), a mudança virá para o unir o país e seu povo, revertendo imposições coloniais promovidas no início do século XX. “Nós somos uma nação polinésia – somos Aotearoa”, afirmaram as lideranças em comunicado.

As lideranças do Partido Mãori, Rawiri Waititi e Debbie Ngarewa-Packer

As lideranças do Partido Mãori, Rawiri Waititi e Debbie Ngarewa-Packer © Getty Images

-Nova Zelândia cria campanha para exaltar valores Mãori em ‘novo normal’ pós-coronavírus

Além de convocar a Câmara dos Representantes a mudar o nome oficial do país, a petição também pede a restauração dos antigos nomes em Te Reo Mãori das cidades, vilarejos e mesmo locais alterados do idioma original. “Nova Zelândia é um nome holandês, e até os holandeses mudaram seu nome – de Holanda para Países Baixos”, afirmaram, lembrando o quanto em poucas décadas a cultura Mãori foi sendo apagada do sistema de ensino e da própria realidade do país.

Na Biblioteca Nacional em Wellington, o nome do país é apresentado também como Aotearoa, traduzido para o idioma Mãori

Na Biblioteca Nacional em Wellington, o nome do país é apresentado também como Aotearoa, traduzido para o idioma Mãori © Wikimedia Commons

-Mulher maori faz história como 1ª apresentadora de TV com tatuagem facial

“É totalmente inaceitável que somente 20% da população Maori e 3% das pessoas que vivem em Aotearoa saibam falar Te Reo Mãori”, diz o texto da petição, que exige que as mudanças ocorram até 2026. Segundo Waititi, o desejo por tais mudanças pode ser percebido não só pelo fato de que cada vez mais pessoas e lideranças têm se referido ao país em seu nome original e utilizado outras titularidades e menções a termos em Te Reo Mãori, como pelas mais de 3 mil assinaturas que a petição conseguiu em pouco mais de 2 horas no ar. “É dever da Coroa fazer tudo que puder para restaurar o status de nosso idioma”, afirmou.

Passaporte neozelandês e Mãori

A mesma tradução aparece na capa dos passaportes do país © Visa Envoy

-Nova Zelândia: Jacinda Ardern faz história com 1ª ministra indígena e mulher

A primeira-ministra Jacinda Ardern é uma dessas lideranças que cada vez mais tem apoiado o fato das pessoas usarem o nome Aotearoa. “Se tal mudança será ou não tornada em lei não muda o fato de que a população cada vez mais se refere como Aotearoa, e acho que essa transição é bem-vinda”, afirmou Arden. A direita, oposição ao governo atual, vem, no entanto, apontando a petição como um ato extremista que funcionaria como uma imposição e uma censura, e pedindo pela realização de um referendo para que a população possa opinar e decidir sobre a mudança.

A primeira-ministra Jacinda Ardern com Nanaia Mahuta, mulher Mãori e ministra das Relações Exteriores do país

A primeira-ministra Jacinda Ardern com Nanaia Mahuta, mulher Mãori e ministra das Relações Exteriores do país © Getty Images

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.