Tecnologia

Pix: bancos pedem mudanças e dão dicas frente o aumento de golpes e sequestros

Redação Hypeness - 01/09/2021 | Atualizada em - 06/09/2021

O Pix, sistema de transferência de dinheiro do Banco Central que agilizou e muito a vida do brasileiro, deve passar por alterações nos próximos meses. Segundo uma apuração da Folha de São Paulo, os bancos acreditam que o sistema de pagamento está abrindo brechas para golpes e sequestros e propuseram algumas mudanças dentro da engenharia do Pix para que ele se torne mais seguro.

– Mulher diz que ficou com R$ 0,58 na conta após perder R$ 65 mil em golpe no Pix 

Pix facilita e acelera pagamentos, mas pode ser caminho para facilitar ação de criminosos no sistema financeiro

Resumidamente, dois tipos de crimes estão envolvendo o Pix: em alguns casos, falsos vendedores utilizam-se do sistema de pagamentos para prometer vendas de produtos com descontos absurdos. A vítima paga e as quadrilhas se apropriam do dinheiro. Em outros casos, o sistema de pagamentos está sendo usado para sequestros.

– Vítima de golpe online consegue recuperar o dinheiro acionando mãe de ladrão

Nessa semana, o Banco Central já anunciou que as transferências noturnas serão limitadas a R$ 1 mil. Ou seja, só será transferível o valor de no máximo mil reais entre as 20h e as 6h.

Além disso, caso o cliente queira estabelecer um limite para suas transações diárias no Pix, o pedido só será aprovado após 24 horas. Outra mudança instituída pelo Banco Central é que o cliente poderá ter ‘contas favoritas’ para exceder o limite preestabelecido para transferências.

Os bancos pedem que os limites sejam alteráveis entre dispositivo – celular, caixa eletrônico ou internet banking -, além de uma flexibilidade maior para as alterações desses limites de acordo com horário.

– Como o Whatsapp Pay pode ajudar na recuperação da economia 

As mudanças do Banco Central ainda não têm previsão de implementação e necessitam de ajustes tecnológicos dentro da própria infraestrutura do Pix e dos bancos.

A Folha de São Paulo registrou mais de 200 casos entre 2020 e 2021 que envolvem o uso do Pix como método para golpes e crimes no estado de São Paulo. Criminosos usam contas de laranjas para fazer as transações e o dinheiro rapidamente é repassado para outras instituições, dificultando o trabalho de investigação da Polícia.

– Coronavírus abre espaço para golpistas que se passam por Datafolha para clonar WhatsApp; entenda e se proteja

Para se proteger, sempre confira o destinatário de seu pagamento e evite fazer transações para empresas e pessoas que você desconhece.

 

Publicidade

Fotos: © Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.