Diversidade

Racismo estrutural: o que é e qual a origem deste conceito tão importante

Roanna Azevedo - 30/09/2021 | Atualizada em - 15/10/2021

Fruto de um processo histórico, o racismo estrutural é uma combinação de atos discriminatórios profundamente enraizados na sociedade, que privilegia certos grupos étnico-raciais em função de outros. Não corresponde ao ato preconceituoso isolado, mas a institucionalização desse preconceito em todas as áreas sociais, favorecendo brancos em detrimento de negros e indígenas, como nos diversos casos de discriminação no Brasil.

Militância na prática: mulheres negras que combatem o racismo no Brasil

Essa discriminação é reproduzida nos espaços econômicos, culturais, políticos e até mesmo nas relações diárias e interpessoais. O motivo? Ela estrutura todos os âmbitos da nossa sociedade. É por essa razão que “não existe racismo que não seja estrutural”, como bem aponta o professor Silvio de Almeida.

Mas como essa estrutura racista foi formada? De que maneira ela funciona na prática?

O movimento Black Lives Matter ganhou as ruas de todo o mundo após o assassinato do americano George Floyd

O que é racismo?

O racismo é um sistema de discriminação que se baseia nas diferenças físicas entre pessoas de raças e etnias distintas. De acordo com suas cores de pele, tipos de cabelo e formatos dos olhos, por exemplo, cada uma delas é posicionada dentro de uma hierarquia bastante específica. Quanto mais longe do topo dessa hierarquia, mais desvantagens e preconceitos um grupo racial vai enfrentar.

Racismo algorítmico: o que é e quais são os impactos da discriminação racial na tecnologia

Qual a origem do racismo estrutural?

As ideias racistas enraizadas na sociedade brasileira são herança do período escravocrata. O pensamento de que os povos escravizados eram inferiores aos brancos, tanto fisicamente quanto intelectual e culturalmente, foi passado de geração em geração, sobrevivendo até os dias de hoje no imaginário social.

HQ coloca racistas em casa-grande assombrada por passado de escravidão

 

Ao contrário do que muita gente ainda pensa, a Lei Áurea garantiu a abolição da escravatura, mas não ofereceu meios para que os negros libertos pudessem se integrar a sociedade. Sem direito à saúde, à moradia e à educação, eles não conseguiram ingressar em empregos remunerados. A maioria continuou nas fazendas servindo aos senhores de engenho para se sustentar.

– Black Power: Alunos negros de medicina tiram foto em frente de antiga fazenda de escravizados

As novas vagas de trabalho passaram a ser ocupadas por imigrantes europeus, que tinham acabado de chegar ao país. Esse era um projeto de Estado para que negros e indígenas continuassem excluídos socialmente, enquanto os brancos eram privilegiados.

Mulher protesta em manifestação Black Lives Matter

A base de sustentação da sociedade brasileira continuou sendo composta pelas mesmas pessoas graças a um elemento em comum: o racismo. A falta de acesso a melhores condições de vida somada às ideias de superioridade racial foram reproduzidas durante todo o resto da história do país, originando o que hoje conhecemos como racismo estrutural.

Chimamanda Adichie expõe cinismo do Brasil sobre racismo: ‘Não parecem reconhecer que é um problema’

Quais são os impactos sociais do racismo estrutural?

As consequências de uma sociedade estruturada pelo racismo são vistas na prática em quaisquer dados sobre a realidade socioeconômica brasileira. Segundo pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que analisou o nível de instrução formal de pessoas com 25 anos ou mais em 2018, 24% de quem tinha ensino superior completo era composto por brancos, contra 10% de pretos ou pardos.

Vacina e racismo: brancos são 2 vezes mais vacinados do que negros, diz Agência Pública

Além da educação, essa desigualdade também se reflete diretamente no mercado de trabalho e nos salários. Em 2019, uma pesquisa também do IBGE identificou que a renda mensal de pessoas negras foi equivalente a 55,8% da de pessoas brancas: enquanto os primeiros ganharam em média R$ 1673 por mês, os últimos tiveram rendimento de R$ 2999.

Negros são 83% dos presos injustamente por reconhecimento fotográfico no país onde ‘racismo não existe’

No âmbito da violência, os números são ainda mais alarmantes. De acordo com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, em 2021, 77% das vítimas de homicídio no país são negras. A mesma pesquisa também constatou dados alarmantes sobre o genocídio negro. Segundo ela, a chance de uma pessoa negra ser assassinada é 2,6 vezes maior do que a de uma não negra.

Publicidade

Foto 1: PDBVerlag/Pixabay

Foto 2: visaoampla_audiovisual/Pixabay


Roanna Azevedo
Diretamente da zona norte do Rio, é jornalista por profissão e curiosa por conta própria. Ama escrever sobre cinema e o universo do entretenimento há mais de dois anos. Tem paixão por tudo que envolve cultura, música, arte e comportamento, além de ficar sempre ligada no que rola no mundinho da comunicação nas redes sociais.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.