Arte

‘Suk Suk – Um amor e segredo’: você precisa assistir a premiada produção de Hong Kong que estreia em setembro

Gabriela Rassy - 08/09/2021 | Atualizada em - 10/09/2021

O filme “Suk Suk – Um Amor em Segredo”, premiadíssima produção de Hong Kong, traz pelo olhar do diretor Ray Yeung a história de dois homens gays maduros que juntos dividem carinhos e resistência enquanto lutam pelo direito de se amarem livremente.

O amor é representado à exaustão nas artes. Da música ao cinema, passando por livros, séries visuais e musicais, estamos sempre vendo trocas e reflexões sobre amar e ser amado. Porém posso dizer que é raro voltarmos este olhar para pessoas na terceira idade. Quando falamos então em homoafetividade, a lista se torna ainda mais escassa.

O diretor Ray Yeung Yaw-kae (Photo por Dickson Lee/South China Morning Post via Getty Images)

Quase não existem filmes dedicados a histórias sobre idosos. Sentimos que a única coisa que preocupa os idosos são as questões de saúde, mas na realidade eles também precisam de apoio emocional.

A fala do diretor sobre a temática LGBT é mais ampla que puramente sobre representatividade. É sobre como não temos mais valor depois que paramos de produzir. Como se as histórias se limitassem a quem integra plenamente o sistema capitalista.

O longa “Suk Suk”, que tem estreia nos cinemas brasileiros, pela Vitrine Filmes, marcada para o dia 9 de setembro, chega para abrir nossos olhos e ouvidos para uma bela história entre personagens idosos.

O encontro entre Pak, homem de aproximadamente 70 anos, taxista, que se recusa a se aposentar, e Hoi, um pai solo aposentado de 65 anos, numa tarde qualquer no parque poderá mudar suas vidas completamente.

Pak e Hoi em “Suk Suk”

Apesar de anos de pressão social e pessoal imposto pelos moldes de uma sociedade tradicional e conservadora, eles se orgulham das famílias que criaram por meio de trabalho árduo e determinação. Mas, durante aquele breve encontro um desejo mútuo se desperta, algo que havia sido suprimido por anos e à medida que conversam e relembram suas histórias pessoais, eles também contemplam a possibilidade de um futuro juntos.

Devido às suas circunstâncias individuais, Pak e Hoi têm decisões difíceis de tomar; Pak parece ingênuo e hesitante no início, mas lentamente destrói sua hesitação; já Hoi parece autoconfiante por fora, mas ainda tradicional e conservador quando se trata de sua religião.

Suas aparentes diferenças superficiais em experiências e atitudes escondem uma semelhança surpreendente em valores e pontos de vista. A questão é se eles podem abraçar seu verdadeiro eu e se apaixonar ou se voltam para a segurança, conforto e aceitação social de suas famílias?

“Suk Suk” estreou em 60 cinemas de Hong Kong, o que foi uma surpresa bastante agradável para um filme independente. O filme recebeu 5 indicações ao Taiwan Golden Horse Award e também foi indicado a 9 Hong Kong Film Awards. Além disso, “Suk Suk” recebeu prêmios e indicações de organizações de prestígio, incluindo a Hong Kong Film Critics Society, o Hong Kong Directors Guild, o Hong Kong Screenwriters Guild e o Asian Film Awards.

Confira a entrevista completa com o diretor e roteirista Ray Yeung:

Gabriela Rassy | Embora o Brasil seja mais aberto para discutir questões LGBT, é raro ver representações de idosos. Como você acha que o filme pode contribuir para esse debate e como vemos a sexualidade das pessoas mais velhas?

Ray Yeung | Acho que vivemos em um mundo bastante preconceituoso. Depois que alguém passa da idade da aposentadoria, a sociedade não dá mais muita atenção a ele ou a ela. A maioria dos lugares de entretenimento e atividades de lazer são voltadas para os jovens. Quase não existem filmes dedicados a histórias sobre idosos. Sentimos que a única coisa que preocupa os idosos são as questões de saúde, mas na realidade eles também precisam de apoio emocional.

Precisamos ver os idosos como pessoas tridimensionais com seus próprios desejos sexuais e necessidades emocionais. Frequentemente, existe um estigma associado à forma como são representados. Eles geralmente são mostrados como avós que dão conselhos sábios ou como vizinhos rabugentos que são amargos e intrometidos. Existem muito mais histórias que podem ser contadas sobre eles. Esquecemos que seremos considerados idosos em 20 ou 30 anos e acredito que não seríamos tão diferentes quando chegarmos a essa idade. Ainda queremos ser desejados, ter necessidades sexuais e vaidade, e não nos importamos com um pouco de romance ou atenção quando entramos em uma sala.

Gabriela Rassy | Qual sua expectativa sobre a mídia em relação ao filme?

Espero que o filme leve a geração LGBTQ+ mais jovem a apreciar o que eles têm agora e também a ter mais empatia por esses gays mais velhos. A cena gay e nossa sociedade certamente não prestam atenção suficiente à população idosa. Em Hong Kong, há muitos balneários gays, que não aceitariam a entrada de gays de certa idade. O gerente do clube dizia que o clube é para sócios apenas para impedir a entrada de idosos.

Finalmente, acho que deveria haver mais representação da geração mais velha na mídia. Quando eu estava procurando financiamento e investimentos para “Suk Suk”, muitas pessoas me rejeitaram porque os dois protagonistas têm mais de 60 anos. Eles acham que um filme sobre LGBTQ já está atendendo a um público de nicho, e adicionar questões importantes à história seria tornar ainda mais difícil de vender, pois se trata de uma minoria dentro de uma minoria. Fico feliz que “Suk Suk” tenha sido bem recebido pela crítica e pelo público, porque mostra que um assunto sobre um grupo minoritário ainda pode encontrar um público.

Gabriela Rassy | O filme é sobre a aceitação da própria sexualidade em uma certa idade, mas há mais ideias que você gostaria de compartilhar por meio dele?

Ray Yeung | “Suk Suk” é inspirado por um livro chamado “A História Oral de Homens Gays em Hong Kong ‘por Travis Kong, que é uma coleção de 12 entrevistas de homens gays idosos, a maioria no armário.

Houve uma entrevista no livro que me tocou particularmente; neste capítulo, Travis perguntou ao entrevistado se ele tinha algum arrependimento. O homem, na casa dos 70 anos, disse a Travis que não se arrependia de ter nadado para Hong Kong como imigrante ilegal há muitos anos sem nada. Mas agora, décadas depois, ele tem uma esposa que faria o jantar para ele quando ele chegasse em casa e seus filhos lhe dariam uma mesada. Ele realmente acredita que sua vida é uma história de sucesso, apesar de sacrificar seu verdadeiro eu. Depois de ler isso, percebi que era muito diferente de como o mundo ocidental vê uma vida LGBTQ realizada.

Hoje em dia, as pessoas LGBTQ são encorajadas a assumir e ser verdadeiras consigo mesmas. Do contrário, são vistos como covardes, desonestos e tristes. No entanto, este homem não parecia ter esses sentimentos. Para ele, é uma história de sucesso e não há motivo para se envergonhar. Quando li seu comentário, de repente me perguntei: quem sou eu para julgar este homem? Se é assim que ele se sente, ele não deve ser compelido a ter vergonha de si mesmo. Julgá-lo seria tratá-lo injustamente. Portanto, comecei a escrever um roteiro sobre esses gays idosos; para retratar suas histórias sem julgamentos, e apenas mostrar seus dilemas e lutas. Caberia ao público interpretar suas escolhas e decisões.

O filme também explora os temas em torno de uma campanha para construir um asilo gay. A partir das entrevistas que conduzi enquanto pesquisava para o roteiro, encontrei um grupo social gay para gays idosos chamado Gay & Grey. Eles se reúnem uma vez por mês para comprar dim sum (bolinhos recheados de massa branca e translúcida) e depois têm uma discussão na casa de uma assistente social.

Assisti a algumas dessas reuniões; e uma vez surgiu o tópico de uma casa de repouso gay. Alguns dos gays idosos do grupo haviam se assumido há muitos anos. De muitas maneiras, eles pagaram um alto preço por sua bravura. Eles foram rejeitados por suas famílias e vivem por conta própria há muitos anos. Foi muito difícil para eles encontrar um parceiro de longo prazo porque seus amantes acabariam se casando com mulheres. Naquela época, muitos deles não acreditavam que os gays poderiam ter relacionamentos de longo prazo porque a sociedade discriminaria um casal gay de todas as maneiras.

Para muitos desses homossexuais assumidos, suas vidas são muito solitárias. Eles não têm ninguém com quem passar os festivais especiais, como o Ano Novo Chinês; e quando ficariam doentes, teriam apenas amigos ou vizinhos que lhes ajudariam. Uma casa de saúde provavelmente seria seu destino final, e eles temiam serem discriminados por serem gays se acabassem em uma casa de saúde. No entanto, se houvesse uma casa de repouso para pessoas LGBT, seria um lugar onde eles poderiam viver livres e sem julgamento em seus anos dourados.

Os membros do grupo Gay & Grey falaram sobre suas necessidades e finalmente foram a uma conferência oficial do governo para expressar seus desejos. Até o momento, o governo não fez nenhuma mudança para resolver esse problema, mas pelo menos sua voz foi ouvida.

Gabriela Rassy | Como foi a recepção do filme em Hong Kong?

Ray Yeung | Eu participei de muitas discussões pós-exibição e muito do público disse que gostou da sutileza do filme e sentiu que ele abriu seus olhos para muitos tópicos, que eles nunca haviam considerado antes. Alguns disseram que não pensavam realmente em seus pais ou avós como pessoas que ainda podem ter desejos pessoais.

Eu também conheci muitos casais heterossexuais de meia-idade do público, que disseram que “Suk Suk” foi o primeiro filme gay que eles viram. Eles disseram que tinham uma imagem estereotipada de gays e ficaram surpresos com a representação no filme. Eles me disseram que o filme mudou sua concepção errônea sobre os homens gays.

Eu disse a eles que queria mostrar que existem homens gays em todos os lugares que não se encaixam em um determinado estereótipo. Tanto Pak quanto Hoi no filme podem ser qualquer um de nossos parentes ou pessoas que encontramos na rua.

Para minha agradável surpresa, parte do público heterossexual elogiou a cena de jantar em casas de banhos gays e disse o quanto eles gostaram do calor e do humor dessa cena. Essa cena é essencial no filme porque mostra que Pak está lentamente se sentindo confortável com sua identidade sexual, e também mostra que embora esses homens sejam completos estranhos, há uma química calorosa e fácil entre eles. De certa forma, eles são como uma família jantando junta. A cena mostra que a sauna gay fornece outro propósito para esse grupo de homens enrustidos, um lugar onde eles podem se sentir confortáveis ​​sendo eles mesmos. Ele serve como um centro comunitário para esses idosos.

Portanto, espero que a atenção que “Suk Suk” reuniu ajude a aumentar a conscientização sobre a necessidade de uma casa de repouso LGBT para que os idosos possam passar seus anos de penumbra com conforto e dignidade.

Gabriela Rassy | Como você acha que será no Brasil?

Estamos muito animados que o filme vá ser visto nos cinemas e também online. Eu sou o programador e diretor do Festival de Cinema Gay e Lésbico de Hong Kong e todos os anos exibimos filmes de todo o mundo. Os filmes brasileiros que exibimos ao longo dos anos sempre foram muito populares em Hong Kong; então, de certa forma, sinto que nossas culturas podem ser muito semelhantes em muitos aspectos. Portanto, espero que o público brasileiro ache “Suk Suk” intrigante e revigorante, mas também caloroso e cativante.

Agradecemos à Vitrine Filmes, nossa distribuidora no Brasil e também à nossa agente de vendas Films Boutique por fazer o lançamento brasileiro acontecer. Sabemos como é difícil lançar um filme em tempos de pandemia. “Suk Suk” teve estreias teatrais na Espanha, Taiwan, Tailândia e França. As reações do público foram muito positivas, principalmente na França, onde o filme foi exibido nos cinemas por 7 semanas. Esperamos que o público brasileiro goste de nosso filme e que ele leve a mais distribuições na América Latina.

Publicidade

Fotos: Divulgação
Foto Ray Yeung: Getty Images


Gabriela Rassy
Jornalista enraizada na cultura, caçadora de arte e badalação nas capitais ensolaradas desse Brasil, entusiasta da cena musical noturna e fervida por natureza.