Futuro

Universitários usaram mais maconha do que álcool em 2020 nos EUA

20 • 09 • 2021 às 10:13
Atualizada em 22 • 09 • 2021 às 10:18
Vitor Paiva
Vitor Paiva   Redator Vitor Paiva é jornalista, escritor, pesquisador e músico. Nascido no Rio de Janeiro, é Doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Trabalhou em diversas publicações desde o início dos anos 2000, escrevendo especialmente sobre música, literatura, contracultura e história da arte.

Dentre os muitos impactos que o difícil período de pandemia impôs sobre o comportamento da população, um novo estudo demonstra uma mudança representativa nos hábitos dos estudantes universitários dos EUA: um aumento considerável no consumo de maconha, combinado a uma redução igualmente significativa do consumo de álcool durante o período em que permaneceram majoritariamente em casa. O estudo que ilustrou tal mudança foi realizado pelo National Institute on Drug Abuse (NIDA), órgão federal de controle sobre consumo de drogas, ligado ao National Institute of Health, e publicado recentemente.

Planta de maconha

A pesquisa confirmou aumento no consumo de maconha entre universitários no período da pandemia © Getty Images

-Pandemia aumenta busca por maconha medicinal para conter ansiedade

Intitulado “Monitoring the future” (Monitorando o futuro, em tradução livre), o estudo se baseou em informações sobre o consumo das substâncias na faixa universitária, em idades entre 19 e 22 anos, desde 1980 até o ano passado. Segundo os dados levantados, 44% dos estudantes universitários afirmaram consumir maconha em 2020, um aumento de 6% em relação aos 38% que confirmaram o hábito em 2015 – o uso diário da erva aumentou, no mesmo período, de 5% para 8% entre os participantes do estudo.

Jovem fumando maconha

A pesquisa conversou com mais de 1.500 estudantes para tais conclusões © Getty Images

-9 sites e portais para aprender e se munir de informações sobre maconha

Ao mesmo tempo, o consumo de álcool caiu os mesmos 6% entre o ano retrasado e o ano passado: 62% dos universitários revelaram consumir bebidas alcoólicas em 2019, contra 56% em 2020 – a recorrência do hábito mais intenso de consumo, determinado pela ingestão de 5 ou mais drinques em um mesmo evento, caiu, no mesmo período, de 32% para 24%. O consumo de drogas psicodélicas também aumento, de 5% em 2019 para 9% em 2020, em estudo que conversou com 1.550 jovens adultos entre março e novembro de 2020, em período, portanto, de pandemia nos EUA e no mundo.

Jovens bebendo

O consumo de álcool caiu na mesma proporção, no período e entre o grupo selecionado © Piqsels

-Quarentena, consumo responsável e bons drinks em um papo com Neli Pereira

O estudo não determina o motivo para tais mudanças, mas especialistas naturalmente se debruçaram sobre os resultados para apontar possibilidades que possam elucidar tais tendências. “A pandemia parece ter tornado a maconha em uma alternativa para se escapar da monotonia do isolamento”, afirmou Nora Volkow, diretora do NIDA. “A vida ficou mais tediosa e estressante, e então, se as drogas permitem vivenciar isso em um estado mental completamente diferente, eu me pergunto se isso não foi um fato que levou as pessoas a usarem”, comentou. O estudo pode ser lido na integra, em inglês, aqui.

maconha

Junto do aumento no consumo de maconha, foi notado também aumento no uso de drogas psicodélicas © Wikimedia Commons

Publicidade

Canais Especiais Hypeness