Ciência

Asteroide descoberto por estudante mineira de 18 anos é certificado pela NASA

Vitor Paiva - 13/10/2021 | Atualizada em - 15/10/2021

A paixão pelas estrelas levou a jovem mineira Laysa Peixoto Sena Lage a começar a escrever seu nome na história da astronomia com apenas 18 anos. Cursando o segundo semestre do curso de Física na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), recentemente Laysa descobriu um novo asteroide enquanto observava imagens capturadas por um telescópio localizado no Observatório Astronômico da Universidade do Havaí: a descoberta do asteroide intitulado LPS0003 (a partir das iniciais do nome da jovem cientista) ocorreu em agosto desse ano, e foi reconhecida pela agência espacial estadunidense, a NASA. `

O asteróide descoberto por Laysa, marcado na imagem

O asteróide LPS0003, descoberto por Laysa, marcado na imagem

-Brasileira vence concurso mundial de jovens cientistas. E vai virar nome de asteroide

“É uma honra fazer parte dessa busca por mais conhecimento sobre o Cosmos, especificamente sobre os objetos do Sistema Solar”, escreveu Laysa, em um post em seu perfil no Instagram. A postagem mostra não somente a imagem da descoberta propriamente, como também uma simulação gráfica da órbita do LPS0003 – que, segundo o texto, futuramente a jovem terá a oportunidade de nomear. “Como parte do pálido ponto azul chamado Terra, não posso deixar de me lembrar das palavras inspiradoras da extraordinária astrônoma Vera Rubin:’Nós perscrutamos um novo mundo e vimos que é mais misterioso e mais complexo do que havíamos imaginado. Ainda mais mistérios do universo permanecem ocultos. Sua descoberta aguarda os cientistas aventureiros do futuro’”, conclui o post.

A órbita desenhada pelo asteróide descoberto

A órbita desenhada pelo asteróide descoberto

-NASA pousa uma nave espacial num asteroide pela primeira vez na história

O feito de Laysa aconteceu a partir de sua participação em um programa de “caça-asteroides” da NASA, realizado em parceria com a The International Astronomical Search Collaboration – que tem como objetivo analisar as imagens registradas pelo telescópio havaiano. Segundo a cientista mineira, as imagens são todas em preto e branco, e por isso é preciso avaliar cada pixel, já que os asteroides em geral são muito pequenos nas imagens e podem passar despercebidos: caso algum ponto de movimento similar a um asteroide seja encontrado, um relatório é enviado à agência espacial: foi assim que o LPS0003 foi descoberto.

a jovem cientista mineira Laysa Peixoto Sena Lage

a jovem cientista mineira Laysa Peixoto Sena Lage

-Asteroide em forma de ‘osso de cachorro’ é analisado em imagens inéditas

Laysa foi Medalhista de prata na 23° Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica, em 2020, e medalhista de bronze na Competição Internacional de Astronomia e Astronáutica em 2021, a motivação para cursar física e mergulhar na carreira científica foi desde sempre seu interesse pela astronomia – e, por isso, colaborar com a NASA sempre foi um de seus grandes sonhos. Técnica em informática e integrante do Observatório Astronômico da UFMG, a jovem, que estudou em escolas públicas desde criança, poderá dar mais um importante passo em breve: realizar o curso Advanced Space Academy, na NASA. Os custos, porém, são altos, e a falta de recursos financeiros levou a cientista a abrir uma vaquinha online.

a jovem mineira Laysa Peixoto Sena Lage

“Observando Saturno, Júpiter, Vênus e a Lua”, diz a legenda da foto

-NASA está preparando esta menina de 17 anos para ser o primeiro humano a pisar em Marte

“Esse curso oferece uma experiência imersiva em ciência, engenharia, tecnologia e matemática, ‘proporcionando uma variedade de exercícios de treinamento de astronautas, desafios de engenharia e atividades de formação de equipes, todos culminando em uma missão espacial simulada de longa duração’”, escreveu Laysa, na página do financiamento coletivo. “Assim, terei o privilégio de representar o Brasil na NASA e em todo o mundo, levando comigo o sonho de milhares de brasileiros que assim como eu, acreditam na ciência e na educação”, concluiu. A página da vaquinha pode – e deve – ser acessada aqui.

Publicidade

© fotos: Instagram/reprodução


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.