Debate

Duas em cada três vítimas de estupro no Rio são meninas com menos de 13 anos

Redação Hypeness - 29/10/2021

Durante o ano de 2020, 4.086 mulheres foram vítimas de estupro no estado Rio de Janeiro. O número representa uma média de 11 mulheres estupradas por dia. Os dados fazem parte da última edição do Dossiê Mulher, um relatório anual elaborado pelo Instituto de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro (ISP-RJ).

– Feminicídio: a história do termo que mudou a legislação brasileira

De acordo com o documento, um total de 2.754 vítimas tinha menos de 13 anos de idade, o que representa duas em cada três vítimas no estado. No total, 98,6 mil mulheres foram vítimas de violência doméstica ou familiar. O maior número de casos aconteceu nos meses de janeiro e dezembro.

Dados ainda mostram que em 65,2% dos casos, o estupro aconteceu dentro de casa, sendo 10% das vezes cometido por um parente, 9,4% por um conhecido e outras 8,8% das vezes, por um companheiro ou ex. 

A presidente do ISP, delegada Marcela Ortiz, alerta que é preciso interromper a escala de violência que agride a mulher dentro e fora de sua casa. 

A mulher parece não ter o direito de se manifestar dentro de casa ou de terminar um relacionamento —  afirmou a delegada, que destacou a importância de se romper com essa estrutura. — Digo que é como uma escada. A cada degrau que sobe, a violência vai aumentando. São dados sinais, e então é importante interromper o relacionamento abusivo antes de chegarmos ao último degrau da violência“, diz.

Maria da Penha: a vida da mulher que batiza a lei e que encara o machismo e a violência de frente

De acordo com o ISP, 78 mulheres foram vítimas de feminicídio em 2020 — ao menos diante dos registros oficiais. No mínimo em 15 desses episódios, a vítima foi assassinada na frente dos filhos. 

Em 2019, o número de mulheres mortas foi de 85. A queda, no entanto, não deve ser vista como vitória. A delegada explica que a redução ou o aumento de registros podem estar vinculadas à confiança nos órgãos de notificação e não significam que houve de fato um aumento ou diminuição no número de casos.  

Por conta da gravidade das estatísticas, o governo do estado decidiu criar o Núcleo de Atendimento aos Familiares de Vítimas do Feminicídio e oferecer um treinamento aos policiais militares para que seja feito o devido cumprimento das medidas protetivas contra os agressores. 

– Brasil lidera ranking de depressão e ansiedade e maioria é mulher

Publicidade

Fotos: Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janero e Unsplash


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.