Ciência

O que é chuva de meteoros e como acontece esse fenômeno

Roanna Azevedo - 21/10/2021 | Atualizada em - 25/10/2021

Verdadeiros espetáculos visuais, as chuvas de meteoros são eventos recorrentes nos céus de todo o mundo. Elas se tornaram tão aguardadas pelos amantes de fenômenos astronômicos, que têm suas datas de passagem organizadas em um calendário.

Que tal conhecer um pouco mais sobre esse festival natural de luzes? 

Vídeo capta o exato momento em que um meteoro rasga o céu nos EUA

O que são chuvas de meteoros?

Chuva de meteoros é o fenômeno em que um grupo de meteoros pode ser observado da Terra se movendo na mesma direção, como se irradiassem de uma única área do céu. Esse evento acontece no momento em que nosso planeta cruza a órbita de um cometa depois que ele se aproxima do Sol, desprendendo sua matéria e, como consequência, deixando um rastro de gases, detritos e poeiras pelo caminho. 

O trajeto dos cometas ao redor do Sol costuma ser mais longo que o de planetas como Júpiter, Saturno e até mesmo a Terra. Isso significa que eles ficam muito tempo longe do astro-rei antes de se aproximar dele novamente. Quando esse momento chega, as superfícies compostas por gelo dos cometas são afetadas pelo extremo calor, liberando pequenos pedaços de poeira e rocha que se espalham pelo Sistema Solar interno. Assim que a Terra passa por essa névoa de detritos, acontece o que chamamos de chuva de meteoros. 

– A história do primeiro cometa ‘alienígena’ identificado no sistema solar

As partículas sólidas que se soltam do cometa entram na atmosfera terrestre e incendeiam devido ao atrito com o ar. O rastro luminoso produzido a partir desse contato é o que conseguimos observar da Terra durante a noite e o que ficou conhecido como estrela cadente.

A imensa maioria dos meteoros não é capaz de ameaçar a vida no planeta, só no máximo, danificar satélites. Aqueles que conseguem penetrar a atmosfera são menores do que grãos de areia e se desintegram no processo, nem chegando perto de atingirem o solo terrestre. Já os que sobrevivem à colisão e caem aqui passam a ser chamados de meteoritos.

Como observar esse fenômeno?

Diversas chuvas de meteoros ocorrem por ano. Mas a Terra passa pela mesma somente uma vez durante esse período. Apesar de serem fenômenos que acontecem anualmente, é muito difícil prever o instante exato em que a maior parte dos cometas aparecerá, mas existem algumas estratégias para conseguir observá-los o mais próximo possível do ideal.

SC registra mais de 500 meteoros e estação bate recorde; veja fotos

Primeiro, é preciso estar em um lugar aberto que possibilite ter um panorama completo de todo o céu e seja o mais escuro possível. As melhores opções são locais muito altos e afastados da cidade. A posição perfeita para o observador aproveitar ao máximo o campo de visão é deitar no chão e esperar de 20 a 30 minutos para que seus olhos se adaptem ao escuro antes do fenômeno começar.

Outra dica é usar uma câmera fotográfica e controlar o tempo de exposição do seu filme para registrar o momento. Os rastros de luz deixados pelos meteoros depois serão visíveis em cada pose.

Quais são as chuvas de meteoros mais famosas?

Dentre dezenas de chuvas de meteoros catalogadas, cinco se destacam. São elas:

– Perseidas: acontece entre os dias 12 e 13 de agosto. É a mais conhecida e seu pico apresenta um grande número de meteoros.

– Leônidas: ocorre entre 13 e 18 de novembro, com os picos máximos nos dias 17 e 18. Fez história por ser uma das mais intensas. A cada 33 anos, há um aumento absurdo na atividade da sua taxa horária, fazendo com que centenas ou milhares de meteoros apareçam por hora.

– Eta Aquáridas: seus meteoros podem ser vistos entre os dias 21 de abril e 12 de maio, com picos máximos nas noites de 5 e 6 de maio. Está ligada ao famoso cometa Halley.

– Oriônidas: acontece no intervalo de 15 a 29 de outubro e tem seus picos máximos entre os dias 20 e 22. Assim como a Eta Aquárides, também é provocada pelos detritos do cometa Halley.

– Gemínidas: com pico máximo nas noites de 13 e 14 de dezembro, ela ocorre entre os dias 6 e 18 do mesmo mês. Está associada ao asteroide 3200 Faetonte, descoberto como o primeiro a se relacionar com esse tipo de fenômeno.

Meteorito achado na África pode estar ligado ao 2º maior asteroide do Sistema Solar

Publicidade

Foto 1: Wired

Foto 2: NASA


Roanna Azevedo
Diretamente da zona norte do Rio, é jornalista por profissão e curiosa por conta própria. Ama escrever sobre cinema e o universo do entretenimento há mais de dois anos. Tem paixão por tudo que envolve cultura, música, arte e comportamento, além de ficar sempre ligada no que rola no mundinho da comunicação nas redes sociais.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.