Ciência

O que é Pangeia e como a Teoria da Deriva Continental explica sua fragmentação

Roanna Azevedo - 28/10/2021

Em seus 4,5 bilhões de anos de vida, a Terra sempre esteve em constante mudança. Uma das mais conhecidas é a transformação da Pangeia no que conhecemos hoje como todos os continentes do planeta. Esse processo aconteceu lentamente, durou por mais de uma era geológica e teve como ponto chave a movimentação das placas tectônicas na superfície terrestre.

Esta incrível animação prevê como será a Terra em 250 milhões de anos

O que é Pangeia?

O que seria o Brasil no supercontinente Pangeia.

A Pangeia foi o supercontinente composto pelos continentes atuais, todos unificados como um único bloco, que existiu durante a era Paleozóica, entre 200 e 540 milhões de anos. A origem do nome é grega, sendo uma combinação das palavras “pan”, que significa “todo”, e “gea”, que significa “terra”.

Cercada por um único oceano, batizado como Pantalassa, a Pangeia era uma massa terrestre gigantesca com temperaturas mais frescas e úmidas nas regiões costeiras e mais secas e quentes no interior do continente, onde predominavam os desertos. Ela se formou até o final do Período Permiano da era Paleozóica e começou a se fragmentar durante o Período Triássico, o primeiro da era Mesozóica. 

Oceano Atlântico cresce e Pacífico encolhe; ciência tem nova resposta para fenômeno

Dessa divisão, surgiram dois megacontinentes: a Gondwana, correspondente à América do Sul, África, Austrália e Índia, e a Laurásia, equivalente à América do Norte, Europa, Ásia e Ártico. A fissura entre eles formou um novo oceano, o Tethys. Todo esse processo de separação da Pangeia ocorreu lentamente sobre um subsolo oceânico de basalto, uma das rochas mais abundantes na crosta terrestre.

Ao longo do tempo, entre 84 e 65 milhões de anos atrás, Gondwana e Laurásia também começaram a se dividir, o que deu origem aos continentes que existem hoje. A Índia, por exemplo, se desprendeu e formou uma ilha para só então colidir com a Ásia e se tornar parte dela. Os continentes finalmente tomaram a forma que conhecemos durante a era Cenozóica.

Como a teoria da Pangeia foi descoberta?

A teoria sobre a origem da Pangeia foi sugerida pela primeira vez no século XVII. Ao observar o mapa-múndi, cientistas constataram que as costas atlânticas da África, Américas e Europa pareciam se encaixar quase perfeitamente, mas não tinham dados que comprovassem esse pensamento. 

Mapa mostra como cada cidade se moveu com as placas tectônicas nos últimos milhões de anos

Centenas de anos depois, no início do século XX, a ideia foi retomada pelo meteorologista alemão Alfred Wegener. Ele desenvolveu a Teoria da Deriva Continental para explicar a formação atual dos continentes. Segundo ele, as regiões costeiras da América do Sul e da África eram compatíveis uma com a outra, o que indicava que todos os continentes se encaixavam como um quebra-cabeças e haviam formado uma única massa terrestre no passado. Com o tempo, esse megacontinente, batizado de Pangeia, se partiu, formando a Gondwana, a Laurásia e outros fragmentos que se movimentavam pelos oceanos “à deriva”.

As fases da fragmentação da Pangeia, de acordo com a Deriva Continental.

Wegener se baseou em três evidências principais para elaborar essa teoria. A primeira delas foi a presença de fósseis de uma mesma planta, a Glossopteris, em ambientes equivalentes do Brasil e do continente africano. A segunda foi a percepção de que fósseis do réptil Mesossaurus eram encontrados apenas em áreas equivalentes da África do Sul e América do Sul, sendo impossível que o animal tivesse migrado pelo oceano. A terceira e última foi a existência de glaciações em comum no sul da África e da Índia, no sul e sudeste do Brasil e no oeste da Austrália e Antártica.

Fósseis mostram que Homo erectus teve sua última morada na Indonésia, há cerca de 100 mil anos

Mesmo com essas observações, Wegener não foi capaz de esclarecer como as placas continentais se movimentavam e viu sua teoria ser considerada fisicamente impossível. O princípio da Deriva Continental passou a ser aceito pela comunidade científica apenas nos anos 1960, graças ao surgimento da Teoria da Tectônica de Placas. Ao explicar e examinar o movimento dos gigantes blocos de rocha que compõem a litosfera, camada mais externa da crosta terrestre, ela ofereceu as bases necessárias para que os estudos de Wegener fossem comprovados.

Publicidade

Foto 1: Reprodução/Ian Webster

Foto 2: Tinkivinki/Getty Images


Roanna Azevedo
Diretamente da zona norte do Rio, é jornalista por profissão e curiosa por conta própria. Ama escrever sobre cinema e o universo do entretenimento há mais de dois anos. Tem paixão por tudo que envolve cultura, música, arte e comportamento, além de ficar sempre ligada no que rola no mundinho da comunicação nas redes sociais.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.