Sustentabilidade

Pesquisa indica que os paulistanos passaram a andar mais a pé na pandemia

Vitor Paiva - 15/10/2021

O paulistano cada vez mais anda a pé. A pandemia ampliou consideravelmente esse bom hábito, seja para atravessar um trajeto totalmente ou ao menos para cumprir uma parte do deslocamento eventual, entre os habitantes de São Paulo, enquanto o uso de transporte público coletivo caiu na cidade – são essas algumas descobertas da pesquisa Viver em São Paulo – Mobilidade Urbana, da Rede Nossa São Paulo, em índices comparados com os últimos anos anteriores ao início da pandemia no Brasil, em março do ano passado.

homem caminhando em São Paulo

A caminhada se torna cada vez mais uma realidade em São Paulo: um meio de transporte

-Caminhadas nos tornam mais felizes e inteligentes, diz neurocientista

De acordo com a pesquisa, o deslocamento a pé tornou-se hábito para 57% dos paulistanos em 2021 – um aumento de 16% com relação aos 41% apontados no ano passado. Em 2017, o hábito era confirmado por 45% da população da cidade, em dado que comprova, portanto, para além de eventuais flutuações naturais, o aumento considerável no período pandêmico. Sobre o transporte público, quatro anos era utilizado por 52% da população: em 2021 o número quedou para 36%, em aumento de 4% para o ano passado, quando a porcentagem foi de 32%,

trânsito em São Paulo

O impacto da mudança pode amenizar o trânsito na cidade © Wikimedia Commons

-Passar mais tempo em pé pode ajudar a evitar doenças com diabetes do tipo 2, aponta estudo

Segundo consta, as determinações protocolares e exigências sanitárias da pandemia são o principal motivo, mas se juntam à crise econômica para explicar tal cenário. “A gente percebe que o fator econômico atravessa a questão, ele reduz a possibilidade da utilização do carro pra quem desejaria usar e, na questão do ônibus, ele é um empecilho em relação ao custo”, afirmou Jorge Abrahão, coordenador da Rede Nossa São Paulo. “Por outro lado, aumenta o número de pessoas andando a pé e isso também é um fator econômico, tem um percentual nesse processo das pessoas estarem andando a pé porque evidentemente não existe custo nisso”, concluiu.

Centro de São Paulo

Os caminhantes movimentam as ruas do centro de São Paulo

-Carona a pé: crianças criam grupo para ir caminhando juntas e com segurança até a escola

A pesquisa apontou também o impacto que melhorias nos sistemas de transporte público poderiam ter no uso de carros particulares na cidade: segundo consta, dois terços dos entrevistados afirmaram que deixariam os carros em casa se tivessem mais e melhores linhas disponíveis, com tempos menores de espera, maior higiene contra a Covid-19 e mais segurança. Se depender, porém, da opinião da população, os meios alternativos e públicos poderão sim melhorar: 87% dos paulistanos se declararam a favor da construção e ampliação de corredores de ônibus, 79% de ciclovias e ciclofaixas, e 82% a favor da utilização exclusiva de ruas e avenidas para lazer e circulação de pedestres e ciclistas.

jovem caminhando diante do metrô

Entre os entrevistados, muitos passaram a caminhar ao menos uma parte de seus trajetos

Publicidade

© fotos: Getty Images/crédito


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.