Arte

21 dicas culturais pretas e poderosas na semana da Consciência Negra

Gabriela Rassy - 16/11/2021 | Atualizada em - 18/11/2021

Artistas e coletivos negros estão sempre em destaque na Agenda Hype – e nesta semana não seria diferente. Celebrando o Dia da Consciência Negra e o debate necessário sobre racismo, as dicas da semana são mais do que especiais.

Destaque para o encerramento do Seguindo a Canção, com Margareth Menezes e Linn da Quebrada, para o Festival da Consciência Negra, presencial e online, no palco do Teatro Prudential, para o lançamento do clipe da banda Tuyo, O Jeito É Ir Embora, e do Sarau Para Alforria, de Maurício Pazz. Vale ainda aproveitar os espetáculos Relatos Amefricanos e Antigona Terceirizada, em edições online, e a oficina-jogo África(s) em Ação, na Casa Museu Ema Klabin.

Vem na minha e dá o play nos lançamentos de novembro!

#live

Festival da Consciência Negra
Sábado, 20, de 11h às 22h
Presencial (R$ 40 ) + Live pelo Youtube do Teatro Prudential
Falar sobre racismo, representatividade e ancestralidade é urgente. Para abrir um espaço para discussão, reflexão, arte e troca, o Teatro Prudential apresenta o Festival que pretende dar visibilidade a pensamentos de artistas e intelectuais que apresentarão o melhor da arte e da cultura criada, pensada e produzida por pessoas negras. Dando início ao festival, o grupo cultural Afroreggae, trazendo três grupos de dança que vão apresentar ritmos africanos e dança contemporânea, na sequência uma roda de conversa gratuita com Rodrigo França, Thereza Moreno, Verônica Bonfim e convidados. Tem ainda o show “Macumbeira”, da atriz e cantora Jéssica Ellen e a peça “O Encontro de Malcom X e Martin Luther King”, com direção de Isaac Bernat.

JAZZ FR/BR
21 de novembro, domingo, a partir das 14h
Grátis e online pelo Youtube
Durante o ano, a Aliança Francesa de São Paulo trouxe atrações envolvendo teatro, literatura, música, gastronomia. Agora é a vez do tradicional festival JAZZ FR/BR. Os shows foram gravados no Teatro Aliança Francesa e na vizinha e parceira Faculdade de Sociologia e Política de São Paulo. Na quarta edição, se apresentam Duo Vesúvio + Duo Abner Phelipe e Lucas Salles; Carol Panesi & Fábio Leal; Rafael Esteves & Grupo; José Alejandro y El Saoco; Andarilho Cha e os Arquitetos Sonoros feat. Mana Bella; e Stracho Temelkovski. Entre os shows, o público pode assistir um minidocumentário com imagens de bastidores, depoimentos dos artistas, da equipe, de parceiros, e imagens das edições passadas do festival.

#show

Thaíde
Sesc Bom Retiro
Dias 19 e 20, na sexta-feira e sábado, às 19h
R$ 15 a R$ 30
O rapper, compositor e produtor Thaíde faz show no Sesc, com participações especiais do rapper e compositor Edi Rock e da dupla Kadesh X Pisco, na sexta, e no sábado da rapper, cantora e compositora MC Sofia e do músico Cabeça SNJ.

Luciana Mello
Sesc Guarulhos
Dias 19 e 20, na sexta-feira e sábado, às 20h
R$ 15 a R$ 30
A filha de Jair Rodrigues, Luciana Mello, comemora 35 anos de carreira. Tendo começado a cantar aos 5 anos de idade, ao lado do pai, a cantora já lançou sete discos solos, dois álbuns de projetos especiais, além de inúmeras participações em discos de artistas consagrados como Luiz Melodia, Sandra de Sá e Tom Zé.

#lançamentos

Tuyo | O Jeito É Ir Embora
A necessidade de sair em busca de um novo lugar foi o que guiou o trio paranaense Tuyo, no processo de adultecimento retratado ao longo das facetas do disco Chegamos Sozinhos em Casa. Dividido entre volumes, o trabalho ainda se desdobrou em uma série documental intitulada Fragmentos, com patrocínio da Petrobras Cultural. Tal urgência em pegar as coisas e partir para o desconhecido foi verbalizada em “O Jeito É Ir Embora”, cuja os versos ganham, agora, um videoclipe. A canção integra o volume 1 de Chegamos Sozinhos Em Casa, disco que marca a primeira indicação do trio ao Grammy Latino.

Sorry Drummer | O Baile Black de Sorry Drummer & Friends – Volume 3
Sorry Drummer esteve no silêncio (mas em ação) nos últimos quatro anos, período que precisou se esquivar toda vez que perguntado sobre seu próximo disco – algo frequente que o baterista costuma ouvir dia sim, dia também. Este novo trabalho, o Volume 3, já chega sendo aguardado por muitos, que sabem que um disco de Sorry é sempre virtuoso no conceito e no instrumental, além de apresentar colaborações ilustres de MCs, DJs e produtores nacionais e gringos.

BADZILLA part. Edgar e Stella Yeshua
Seja em um groove do beat, um detalhe na harmonia de uma estética não-convencional ou a partir de timbres com sonoridades diferentes, o projeto BADZILLA é um passo para experimentações. Dessa forma, o duo de produtores musicais composto por Tuti AC (baixista do Medulla e Violet Soda) e LAN (do projeto SAVINO) se une aos rappers Edgar e Stella Yeshua para entregar o primeiro single da sua mixtape de estreia. “Tempo” é a impressão de diversas influências musicais em uma letra que expurga o descontentamento com o cenário político brasileiro.

Elisa Fernandes | Você não sabe o que é ser preto
No mês da Consciência Negra, Elisa Fernandes questiona racismo da sociedade brasileira em novo single. “A cada manchete sobre racismo com grande repercussão na mídia e nas redes sociais é um gatilho na gente, é o trauma do colonialismo batendo forte na nossa cara, batendo pra matar. A cada ato racista que eu me deparo no meu dia a dia, cresce por dentro um sentimento de que o racismo mata a gente de muitas maneiras”, revela a cantora.

Maurício Pazz | Sarau Para Alforria
Depois de mais de 10 anos tocando ao lado de artistas como Anaïs Sylla, Chico César, François Muleka e Luedji Luna, Maurício Pazz lança o single “Sarau Para Alforria”, abrindo os trabalhos do selo Atlântico Sul Music. A faixa inédita tem clima guiado pelos tambores malinkes do oeste africano e universos harmônicos melódicos das afro-américas.

Disco de Quintal
O EP, idealizado pela cervejaria Lagunitas é composto pelas músicas: You’ll Never Change (Beeshop – Lucas Silveira), Sobreviventes (Dead Fish), Câmera Lenta (Raquel), Aos Luta Sem Fim (Sugar Kane), Não Estou Aqui (Jadsa) e Urubu Rei (Ana Cañas). Com seis músicas exclusivas (sendo quatro inéditas e duas releituras) de importantes nomes da cena indie brasileira, o projeto foi produzido por Chuck Hipolitho e Alexandre Capilé, e promete agradar os amantes de indie rock, indie pop, hardcore e punk rock.

Anastácia | Ai de Mim
‘Ai de Mim’, frase que Anastácia em tatuado no seu ombro, fala de uma forma serena, confiante e altiva de uma mulher entediada de sua relação amorosa. É a história de uma mulher cheia de certezas, que termina o relacionamento para viver o melhor da boemia, ser “Deusa das ruas” como Anastácia já cantou no single Bêbada (ouça aqui). Mas é também a história da mulher que, ao chegar em casa após aproveitar a noite, é tomada pelo vazio da saudade e sem medo de negativas, vai lá e pede para voltar.

#canal

Seguindo a Canção
Margareth Menezes e Linn da Quebrada encerram a segunda temporada do projeto da Casa Natura Musical com a Faculdade Descomplica no dia 17 de novembro. O encontro traz discussões sobre a importância do coletivo à luz da música “Quem Tem Um Amigo Tem Tudo”, de Emicida com Zeca Pagodinho, e parte das pautas sugeridas pelo Dia da Consciência Negra para abordar temas como a visibilidade às requisições do movimento negro, a necessidade de se dar protagonismo à mulheres e homens pretos e de reconhecer seus trabalhos, vivências e histórias, garantindo assim mais acesso e representatividade.

#oficina

Oficina-jogo África(s) em Ação
Sábado, 20/11, das 14h30 às 16h30
25 vagas, atividade presencial, a partir dos 7 anos.
A Casa Museu Ema Klabin promove a oficina-jogo África(s) em Ação, desenvolvida pela artista e educadora Thelma Löbel. O jogo, desenvolvido exclusivamente para a Casa Museu Ema Klabin, vai explorar a imensidão e a pluralidade do continente africano, tendo como ponto de partida a Coleção Africana da Casa Museu Ema Klabin. O tabuleiro irá revelar os territórios onde os encontros, descobertas e narrativas acontecem.

#podcast

Pertencentes
Com quatro episódios, a primeira temporada do podcast traz entrevistas com os esportistas LGBTQIA+ Izzy Cerullo (rugby), Fábio Lemes (esgrima), Danielle Nunes (vôlei) e Josué Júnior  (futebol). A ideia do podcast surgiu da letra da música lançada recentemente por Ravih, “Pertencer” – que trata da busca por um lugar de pertencimento -, somada às polêmicas recentes e constantes de homofobia e transfobia nos meios esportivos. O assunto rende uma calorosa discussão, dada a violência com que são tratados corpos não-binários, trans e pessoas com deficiência dentro de competições, times e até mesmo dentre o público. As entrevistas revelam a dureza dos bastidores que os convidados já vivenciaram, levantando questões que precisam de mais debate público. Os quatro episódios de “Pertencentes” estão disponíveis aqui. Veja também o clipe:

#livro

Quinzinho, de Luciano Ramos
Premiado pela UNESCO, Luciano aborda em seu livro, desafios de uma família negra no Brasil, ao explicar aos filhos o Dia da Consciência Negra, fazem com que a criança se sinta representada, e famílias têm o dever de educar crianças brancas não racistas, ensinando o peso do feriado. O autor do livro é historiador, gestor, produtor e escritor, defende duas pautas principais: a antirracista e a da masculinidade positiva, ou seja, da desconstrução de padrões de gênero relacionadas ao sexo masculino. Ambas se entrelaçam ao falar de criação e paternidade. Lançado pela Editora Caqui em 2020, o livro aborda os desafios e cotidiano de Quinzinho e de seus parentes, retratando questões comuns à famílias negras do Brasil, como educar uma criança não só para ser feliz, mas também para aprender a lidar com os efeitos psicossociais do racismo.

Meu Livro Vermelho, de Otto
O cantor e compositor pernambucano Otto lança seu livro de estreia. A obra reúne textos, fotografias e reflexões do cantor, produzidos entre os anos de 2014 a 2019 e publicados no Instagram. Como uma espécie de diário compartilhado com o público, e uma escrita contemporânea, Otto aborda sentimentos cotidianos, ora contraditórios, ora complementares, para numa reunião de vestígios, apontar o êxtase de sua escrita, seus pedaços de linguagem livres.

Vendas: https://www.impressoesdeminas.com.br/

#cênicas

Relatos Amefricanos
Sábado, 20 de novembro, sexta e sábado, 20h; domingo 18h
Grátis e online pelo youtube
Dança contemporânea traz poética negro-diaspórica em formato online e gratuito Relatos.jpeg. Inspirado na categoria político-cultural de amefricanidade – cunhada pela antropóloga, filósofa e historiadora Lélia Gonzalez –  Relatos Amefricanos transporta para a tela e os palcos, uma amálgama de histórias que têm a experiência negro-diaspórica como fio condutor. Em cena, uma abordagem transfronteiriça aproxima e entrelaça Brasil e Peru, duas realidades latino-americanas aparentemente díspares entre si. Essa operação é possível graças à concepção amefricana que está na base do espetáculo. Nesses dois pólos, mutuamente complementares, estão as figuras de Lélia Gonzalez e a da poetisa e coreógrafa peruana Victoria Santa Cruz, como as principais referências do projeto.

Antígona Terceirizada
Até 4 de dezembro, sempre às 19h
Grátis e online
Livremente inspirada na tragédia grega de Sófocles, com dramaturgia de Victor Nóvoa, o espetáculo segue em cartaz em uma versão cinematográfica, transmitida pelo Centro Cultural São Paulo no YouTube. O trabalho tem direção compartilhada por Aysha Nascimento, Georgette Fadel e Karen Menatti e trilha sonora original de André Abujamra. O elenco é composto por Denise Assunção, Éder dos Anjos, Nilcéia Vicente, Alba Brito e Luís Mármora, que idealizou a montagem ao lado de Nóvoa.

Imalè Inú Ìyágba
Sesc Pompeia
Dias 20, sábado, às 21h, e domingo, 21, às 18h
De R$ 15 a R$ 30
Tomando como base o livro Histórias de leves enganos e parecenças, de Conceição Evaristo, a diretora Adnã Ionara apresenta o espetáculo de dança Imalè Inú Ìyágba, no Pompeia. Também bailarina do espetáculo, Adnã Ionara,  a pesquisadora e artista da dança traz uma apresentação a partir dos rastros biográficos e memorialísticos da intérprete-criadora e suas escrevivências, com execução musical de Graciela Soares e Tavinho Andrade.

Ramal 003
Dias 18 e 19 de novembro, 20h
Grátis e online
O Grupo Embaraça está de volta. Depois de quase dois anos longe dos palcos, Fernanda Jacob e Tuanny Araujo retornam com o espetáculo “Ramal 003” – desta vez, em formato on-line. As primeiras sessões, nos dias 18 e 19 de novembro, acontecem no canal do Espaço Pé Direito no Facebook. Até o dia 28, os canais do Mercado Sul Vive, Casa dos Quatro e Semente Cia. de Teatro no YouTube também transmitem a peça. A pandemia causada pelo novo coronavírus e o isolamento que ele impõe foram fundamentais para que a montagem ganhasse a versão virtual. De acordo com Fernanda, a nova estrutura também permite acessar mais pessoas de diversos lugares.

#cinema

Mostra de Filmes Contemporâneos Húngaros 
CCBB São Paulo
18 a 28 de novembro de 2021
Grátis
A mostra apresenta uma seleção das melhores criações cinematográficas contemporâneas húngaras para o público brasileiro na semana do 65º aniversário da Revolução Húngara de 1956, coincidindo também com o ano da presidência húngara do Grupo Visegrád, que representa uma aliança cultural e política de quatro países da Europa Central: Eslováquia, Hungria, Polônia e República Tcheca.

 

Publicidade


Gabriela Rassy
Jornalista enraizada na cultura, caçadora de arte e badalação nas capitais ensolaradas desse Brasil, entusiasta da cena musical noturna e fervida por natureza.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.