Arte

4 instrumentos musicais de origem africana muito presentes na cultura brasileira

Vitor Paiva - 11/11/2021 | Atualizada em - 16/11/2021

A música popular do ocidente tem boa parte de suas origens no continente africano, e tais raízes começam não somente nos ritmos, estilos e temas ancestrais, mas também nos próprios instrumentos. Sendo um dos países com maior presença africana fora do continente e, não por acaso, um dos mais musicais do mundo, a história do Brasil e da música brasileira não teria como ser mais exemplar sobre essas influências e presenças africanas – principalmente através do uso recorrente dos tantos instrumentos de percussão que marcam a profusão de gêneros nacionais.

Roda de capoeira com berimbau em Salvador, na Bahia

Roda de capoeira com berimbau em Salvador, na Bahia © Getty Images

– O samba e a influência de África no ritmo favorito do Brasil

A influência da percussão no Brasil é tamanha que os instrumentos são não somente elementos de nossa música, mas também verdadeiros símbolos formadores daquilo que compreendemos como cultura brasileira – principalmente em seu sentido negro e africano. Como separar, por exemplo, um instrumento como o berimbau de sua relação com a capoeira – e da capoeira com a escravidão, bem como da escravidão com um dos mais sombrios capítulos da história do país, do capitalismo, da humanidade? Relação semelhante é possível estabelecer com o samba e seus instrumentos característicos, como um verdadeiro elemento essencial do que significa ser brasileiro.

Músico tocando cuíca na Banda de Ipanema

Músico tocando cuíca na Banda de Ipanema, tradicional bloco de carnaval carioca © Getty Images

-O adeus a Naná Vasconcelos e seu coração percussivo

Assim, a partir de uma seleção estabelecida pelo site Mundo da Música, lembramos quatro desses muitos instrumentos que vieram da África para fundar o Brasil.

Cuíca

cuíca

A parte interna da cuíca traz a haste onde se toca o instrumento © Wikimedia Commons

Chamada, em suas origens, de puíta ou, em Angola, pwita, a Cuíca é como um tambor com uma haste de madeira presa na parte interna, ao centro da pele: no lugar de batermos na superfície do couro, porém, o som completamente particular é obtido friccionando um tecido molhado pela haste, e apertando a pele, do lado de fora, com os dedos. O instrumento provavelmente chegou ao Brasil pelos escravizados bantos vindos de Angola no século XVI e, reza a lenda, era utilizado originalmente para atrais leões em caçadas – nos anos 1930, passou a ser utilizado nas baterias de escolas de samba para se tornar sonoridade essencial do estilo mais fundamental brasileiro.

Agogô

agogô

Um agogô de quatro sinos: o instrumento pode ter um ou mais sinos © Wikimedia Commons

Formado por um ou múltiplos sinos sem badalos, contra os quais o músico bate costumeiramente com uma baqueta de madeira – com cada sino trazendo uma tonalidade diferente – o Agogô é de origem iorubá, trazido pelas populações escravizadas diretamente da África Ocidental como um dos mais antigos instrumentos que viriam a se tornar elementos essenciais do samba e da música brasileira em geral. Na cultura do candomblé é objeto sagrado em rituais, ligado ao orixá Ogum, e também se faz presente na cultura da capoeira e do maracatu.

-Música e luta no adeus ao grande trompetista sul-africano Hugh Masekela

Berimbau

Berimbau

Detalhe da cabaça, arco e arame de um berimbau © Getty Images

Conforme citado acima, o berimbau é uma parte essencial do ritual da capoeira, como instrumento de ritmo, tonalidade e estética para a dinâmica da luta em dança – ou da dança em luta. De origem angolana ou moçambicana, então conhecido como hungu ou xitende, o Berimbau consiste em uma grande verga de madeira arqueada, com um fio de arame teso preso em suas pontas, e uma cabaça fixada na extremidade, para servir como caixa de ressonância. Para extrair o incrível som metálico, o músico bate contra o arame com uma vareta de madeira e, pressionando e soltando uma pedra contra o fio, muda a tonalidade de seu som.

-Viola de cocho: o instrumento tradicional do Mato Grosso que é patrimônio Nacional

Tambor Falante

tambor falante

Um tambor falante com um aro de ferro © Wikimedia Commons

Com o formato de uma ampulheta e rodeado de cordas capazes de alterar a tonalidade do som emitido, o Tambor falante é posicionado embaixo do braço do músico, e tocado normalmente com um aro de ferro ou madeira contra a pele, apertando ou afrouxando as cordas com o braço para alterar o tom e seu som. É também um dos mais antigos instrumentos tocados no Brasil, e sua origem remonta a mais de 1 mil anos, na África Ocidental e no Império de Gana, também à Nigéria e ao Benim. Era utilizado pelos griots, sábios que tinham a função de transmitir as histórias, os cantos e os conhecimentos de seus povos.

Jovem musicista tocando um tambor falante no Instituto de Estudos Africanos, em Gana

Jovem musicista tocando um tambor falante no Instituto de Estudos Africanos, em Gana © Getty Images

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.