Ciência

A importância das estações de pesquisa espalhadas pela Antártica

Vitor Paiva - 09/11/2021 | Atualizada em - 11/11/2021

As singularidades geológicas, geográficas e climáticas da Antártida fazem do continente gelado, além de uma das paisagens mais incríveis de todo o planeta, um verdadeiro laboratório a céu aberto, onde importantes pesquisas científicas são realizadas por diversos países. Atualmente, 70 bases permanentes espalhadas pelos 14 milhões de quilômetros quadrados da superfície do continente representam 29 países, e recebem cientistas do mundo inteiro, para estudarem o clima, os mares, a vida marinha, bem como o próprio continente, e realizarem experimentos se valendo das temperaturas mais geladas de toda a Terra.

A base argentina Almirante Brown, originalmente a mais antiga da Antártida

A base argentina Almirante Brown, originalmente a mais antiga da Antártida

Base Esperanza

A Base Esperanza, uma das mais que possuem presença permanente no continente

-Antártida vive drama com geleira próxima de ponto irreversível de degelo

Até 1959, diversos países disputavam a posse do continente, desde sua “descoberta” oficial, em 1820. A assinatura do Tratado da Antártida, porém, encerrou tal disputa e alterou radicalmente a relação da humanidade com a região: uma vez assinado o acordo, em 1 de dezembro de 1959, a Antártida se tornou uma área de cooperação internacional irrestrita e sem dono, utilizada para exploração científica, pacífica e proibida de ser militarizada. “A Antártida deve ser utilizada somente para propósitos pacíficos”, diz o primeiro artigo do acordo que, entre outros pontos, também determina que as “observações científicas e resultados da Antártida devem ser disponibilizadas livremente”.

Antártida do alto, vista de um satélite

Antártida do alto, vista de um satélite

-Antártida: o que o único continente livre do coronavírus pode ensinar sobre isolamento

Entre bases permanentes e temporárias, Argentina, Chile, Equador, Austrália, Nova Zelândia, Reino Unido, Japão, Romênia, Espanha, Ucrânia, Paquistão, Rússia, Índia, EUA, Coréia do Sul, Suécia, Noruega, África do Sul, Alemanha e China estão entre os países que mantêm bases no continente – e o Brasil também se faz presente, com a Estação Comandante Ferraz, inaugurada em 1984 na Ilha do Rei George, na Baía do Almirantado, no continente. Não há uma população fixa estabelecida na Antártida, mas as equipes de cientistas e de apoio às bases somam, entre todas as bases, cerca de 4 mil pessoas no verão, e 1 mil no inverno. O acampamento Villa Las Estrellas, do Chile, e a Base Esperanza, da Argentina – onde ocorreram o primeiro casamento e o primeiro nascimento da Antártida – possuem uma presença populacional regular, que inclui crianças.

A Estação brasileira Comandante Ferraz

A Estação brasileira Comandante Ferraz, reconstruída depois de um incêndio em 2012

A base brasileira vista de cima

A base brasileira vista de cima

-Antártica: o continente gelado (hoje nem tão gelado assim) já foi uma floresta tropical

São diversos os motivos que fazem da Antártida um laboratório fundamental. A Antártida é o continente mais frio e mais seco do planeta, com temperaturas que podem variar entre -10ºC e -20ºC, mas podendo chegar a -30ºC e até -65ºC – em 1983 foi registrado o recorde de -89ºC. Além de ser um ponto de encontro de todos os mares, o estudo do gelo, da neve, os animais selvagens, os efeitos das baixas temperaturas sobre o corpo, assim como estudos astronômicos especiais nos céus antárticos, movem biólogos, geólogos, oceanógrafos, astrônomos, físicos e meteorologistas para a região. Trata-se, afinal, de um dos cenários mais imaculados, extremos e complexos do planeta, que também oferece oportunidade para um experimento de cooperação política e pacífica igualmente sem igual em toda a Terra.

A base chilena Villa Las Estrellas

A base chilena Villa Las Estrellas

Base uruguaia no continente

Base uruguaia no continente

Publicidade

© fotos: Wikimedia Commons


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.