Ciência

Mulher argentina pode ser 2ª paciente no mundo a se curar do HIV sem tratamento

Vitor Paiva - 18/11/2021

Uma mulher argentina pode ter se tornado o segundo caso conhecido no mundo de cura do vírus HIV sem a necessidade de um tratamento. O histórico da paciente de 30 anos foi registrado em pesquisa publicada recentemente na revista Annals of Internal Medicine, que avaliou 1,5 bilhão de células para concluir que a mulher mantém há 8 anos uma carga viral indetectável do HIV tipo 1, sem utilizar terapia antirretroviral nem a realização de transplante de medula óssea ou outras intervenções médicas. O caso ocorreu na cidade de Esperanza, na Argentina, e por isso a mulher vem sendo conhecida como a “paciente de Esperanza”.

Célula T infectada pelo HIV

Célula T infectada pelo HIV

-Unifesp diz que paciente está há 17 meses sem HIV em estudo inédito e histórico

Ela apresentou seu primeiro diagnóstico positivo para HIV em 2013, e desde então passou a acompanhar seu quadro cuidadosamente. Nos anos seguintes, segundo consta, 10 testes comerciais apresentaram carga viral indetectável, e a paciente não apresentou sintomas, indícios clínicos ou mesmo resultados em exames que apontassem qualquer doença ligada ao HIV. Em 2019, a mulher engravidou e, para evitar que o bebê se infectasse, entrou em tratamento com a terapia antirretroviral até o parto: o neném nasceu sem o vírus em 2020, e permanece assim até hoje.

exame de sangue

A paciente se testou diversas vezes nos últimos 8 anos para confirmar o quadro

-Mulher teria se curado espontaneamente do HIV após quase 30 anos, diz revista

Antes da “paciente de Esperanza”, somente um outro caso semelhante havia sido registrado, com uma paciente de 67 anos, que controlou o vírus em processo semelhante. As duas se enquadram no que a pesquisa chama de “controladoras de elite” do vírus, quando alguém obtém a chamada “cura funcional” – em que o vírus é indetectável e não há nenhuma evidência de que possa fazer mal à saúde do paciente – sem o uso de medicamentos. A pesquisa recente foi realizada por cientistas em Buenos Aires e em Boston, nos EUA e, segundo as pesquisadoras, os mecanismos que permitem esses resultados extraordinários são raros e difíceis, mas podem trazer informações fundamentais para novos tratamentos e na busca pela cura.

A Dra. Xu G. Yu, que liderou a pesquisa

A Dra. Xu G. Yu, que liderou a pesquisa

-Médico afirma ter curado paciente de HIV de forma definitiva

De acordo com a cientista Xu G. Yu, autora sênior da pesquisa, as descobertas podem abrir possibilidades de outras pessoas terem se curado sozinhas – compreender o funcionamento desses sistemas imunológicos é fundamental para o possível desenvolvimento de tratamentos que “ensinem” outros sistemas a se comportarem da mesma forma. “Isso é realmente um milagre do sistema imunológico humano”, afirmou Yu. “Essas descobertas, especialmente com a identificação de um segundo caso, indicam que pode haver um caminho acionável para uma cura esterilizante para pessoas que não são capazes de fazer isso por conta própria”, concluiu.

Publicidade

© foto 1: Wikimedia Commons

© foto 2: Getty Images

© foto 3: Massachusetts General Hospital/Divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.