Inspiração

Campanha reúne celebridades para provar inocência de homem negro há duas décadas no corredor da morte

Redação Hypeness - 05/11/2021

Julius Jones está preso desde 1999 por um crime que pode não ter cometido. O jovem foi preso aos 19 anos e stá no corredor da morte do estado do Oklahoma pelo assassinato de Paul Howell, um executivo de 45 anos que foi morto por tiros na frente de suas duas filhas.

A única descrição do assassino é que se tratava de um homem negro de cabelos longos que usava camiseta branca. Julius foi detido rapidamente e a arma do crime foi encontrada em sua casa.

– Como uma usuária do Instagram salvou um inocente do corredor da morte dias antes da execução 

julius jones

Julius Jones defende que é inocente, mas pode ser executado a qualquer momento pelo estado do Oklahoma, nos EUA

Segundo as investigações policiais, Julius e um amigo chamado Christopher Jordan participaram do crime. Mas, segundo a defesa de Julius, Jordan é o verdadeiro culpado. No dia do crime, Jordan foi dormir na casa do homem que foi posteriormente condenado e teria plantado a arma do crime dentro de sua residência.

Além disso, para celeridade na resolução do crime que chocou a pequena cidade do Oklahoma, a polícia teria forçado pessoas a testemunhar contra Julius, incluindo Jordan, confessou participação no crime, como motorista do assassinato. Ele escapou da prisão por ter entregado o homem que está preso até os dias de hoje.

– EUA executam 1ª mulher em quase 7 décadas e Trump bate recordes ao reviver corredor da morte 

Na verdade, Julius tinha um álibi: ele estava em sua casa jogando Banco Imobiliário com sua família. O estudante da Universidade de Oklahoma era considerado um jovem estudioso e se envolveu em pequenos crimes como furtos naquele ano. Mas, segundo sua defesa, nunca participou de um assassinato.

“O que é errado é errado. Eu não deveria ter cometido (os furtos). E eu não estou tentando esconder de ninguém que eu feri a lei”, admitiu o próprio Jones em um documentário. “Mas isso não faz de mim um assassino. Eu passei os últimos 20 anos no corredor da morte por um crime que não cometi, não testemunhei e no qual não estava presente”, disse.

Novas evidências sobre o caso mostram que um dos participantes do júri confessou que preconceito racial influenciou seu voto para condenar Julius à morte. Um juiz afirmo que um dos membros do júri disse ao outro que o julgamento era uma perda de tempo e que “deveriam colocar esse negro na cadeia e enchê-lo de bala”.

– Homem condenado à morte por marca de mordida se livra de execução 

O caso acabou virando a série ‘documental da ABC ‘The Last Defense’, produzida por Viola Davis.Além dela, outras figuras famosas defendem que ele seja inocentado, como James Corden e Kim Kardashian West.

Publicidade

Fotos: Reprodução/JUSTICE FOR JULIUS JONES


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.