Arte

Escultura poderosa no topo da Igreja de Berlim alerta para crise global de refugiados 

Vitor Paiva - 12/11/2021 | Atualizada em - 16/11/2021

Antes de se tornar uma região boêmia, efervescente e jovem na capital alemã, Kreuzberg era essencialmente um bairro de imigrantes: assim ele foi fundado, e por isso é natural que o ponto de Berlim seja o endereço da escultura que, no alto de uma igreja, silenciosamente grita sobre o a crise dos refugiados atual. Assinada pelo artista espanhol Pejac e Intitulada Landless Stranded (Detido e sem terra, em tradução livre), a obra posicionada no topo da torre da igreja de Holy Cross mostra uma criança vestindo um colete salva-vidas, segurando-se na cruz com uma mão, e acendendo um sinalizador com a outra. A igreja é local de intenso trabalho de ajuda aos refugiados na cidade, e autorizou com firmeza que a obra fosse instalada em seu prédio.

A estátua de Pejac no alto da igreja em Berlim

A estátua de Pejac no alto da igreja em Berlim

A estátua de Pejac no alto da igreja em Berlim

O menino refugiado pode ser visto de outros pontos da região

-Artista sírio pinta líderes globais como refugiados

A intervenção urbana é essencial e efetivamente um pedido de socorro – como o sinalizador aceso justamente representa –, que exige a reflexão imediata sobre a situação dos tantos povos que hoje precisam fugir de seus países para sobreviver. “A melhor maneira que possuo para me comunicar com o mundo é através da arte”, afirma o artista espanhol. “Essa nova instalação fala diretamente com todas as pessoas que, mesmo em terra, sentem-se à deriva”, afirmou. O projeto foi realizado por Pejac em parceria com a ONG alemã Sea-Watch, que conduz missões de resgate a migrantes presos no mar mediterrâneo, e a agência DOJO Cares.

A estátua de Pejac no alto da igreja em Berlim

O sinalizador aceso lembra do pedido de socorro refugiado em todo o mundo

-Thierry Geoffroy: ‘a arte de emergência e a autocrítica podem salvar o mundo’

Ainda que a obra seja visível para quem olha da rua, alguns binóculos foram instalados do lado oposto à igreja, na praça de Blücherplatz, onde se localiza o prédio, como parte da própria narrativa da escultura: ao permitir os espectadores se aproximarem da criança, a distância que normalmente separa os refugiados da população da cidade se encerra, e a metáfora se estabelece.  Junto aos binóculos, o espectador pode escanear um QR Code que o leva diretamente a um site que convida à campanha de caridade da igreja e às doações para a Sea-Watch.

A estátua de Pejac no alto da igreja em Berlim

Binóculos espalhados do outro lado da igreja permitem ver a estátua de perto

-Refugiados ensinam receitas com Paola Carosella em nova série

Conhecido por selecionar lugares incomuns para posicionar seus trabalhos, Pejac fez questão de posicionar a criança “detida e sem terra” no meio de Berlim. “Visto que a maioria das pessoas está familiarizada com as perturbadoras cenas envolvendo refugiados somente através de cenas na televisão, é desconcertante ver a obra em um cenário urbano, acima do nível da rua”, diz o texto de apresentação no site do artista. “É como se a realidade tivesse se desmontado em um local e anomalamente se reconstituído como algo novo em outro lugar”. De acordo com a ONU, ao fim de 2020 havia mais de 82 milhões de refugiados em todo o mundo, como resultado de situações de violência, perseguição e/ou violação dos direitos humanos.

A estátua de Pejac no alto da igreja em Berlim

O menino refugiado pode ser visto mesmo da rua

Publicidade

© fotos: Pejac


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.