Inspiração

Mas será o Benedito? Quem foi Benedito Meia-Légua, terror dos escravagistas anos antes da abolição

Vitor Paiva - 19/11/2021 | Atualizada em - 23/11/2021

Usada para expressar o sentimento de uma situação desagradável, a expressão “Mas será o Benedito?” costumava ter seu surgimento explicada pela expectativa sobre a nomeação de Benedito Valadares como interventor de Minas Gerais pelo então presidente Getúlo Vargas, em 1933. Historiadores, no entanto, comprovam que a frase já era usada anos antes, vista em jornais e mesmo em músicas em 1930 e 1931 e mesmo antes: atualmente, novas pesquisas sugerem que a origem da expressão, ainda hoje popular em muitas partes do Brasil, remonta a um importante líder negro, que lutou contra os escravocratas no século XIX e tornou-se lenda por sua força e coragem: Benedito Meia-Légua.

Benedito Meia-Légua

Benedito Meia-Légua foi um dos grandes líderes na resistência negra no Brasil escravocrata

-9 expressões populares com origens ligadas à escravidão; e você nem imaginava

Seu nome de batismo era Benedito Caravelas, nascido como escravizado no município de Villa Nova do Rio de Sam Matheus, hoje simplesmente São Matheus, no Espírito Santo, em 1805. Suas constantes viagens pelo nordeste, no entanto, lhe conferiram o apelido que se tornaria sinônimo de terror entre os fazendeiros escravagistas por toda a região: Benedito Meia-Légua era de tal forma temido, e sua força e resistência eram tamanhas, que a mitologia ao seu redor questionava se ele, depois de tantas rebeliões, prisões, fugas e ressurgimentos na luta pela libertação da população escravizada, principalmente ao norte do seu estado, não seria imortal.

Estátua de São Benedito. em São Mateus

Estátua de São Benedito. em São Mateus

-Projeto luta para remover nome de assassino de Zumbi dos Palmares de rua

A explicação, reza a lenda, estaria na proteção que São Benedito conferia especialmente ao líder, que invadia senzalas, saqueava fazendas e libertava a população negra aprisionada utilizando verdadeiras estratégias de guerra – como dividir os revoltosos em pequenos grupos para evitar grandes capturas e permitir ataques simultâneos em diferentes pontos ou mesmo fazendas, bem como vestir cada líder exatamente como ele. Não era por acaso, portanto, que a cada notícia de que havia sobrevivido e fugido, quando surgia uma nova rebelião, vinha também a pergunta: “Mas será o Benedito?”.

A igreja de São Benedito, em São Mateus

A igreja de São Benedito, em São Mateus, no início do século

-Fazenda no Rio de Janeiro trata escravidão como atração turística

Uma de suas mais lendárias fugas se deu após ser carregado para São Mateus amarrado pelo pescoço e arrastado por um capitão-do-mato montado a cavalo. Em seguida, um grupo de negros aprisionados foi obrigado a surrá-lo, e Benedito foi dado como morto. Seu corpo foi guardado dentro da igreja de São Benedito, para ser sepultado: no dia seguinte, porém, só havia marcas de sangue e pegadas, mas nem sinal do líder. Benedito Meia-Légua só viria a morrer velho e mancando de uma perna, por conta da traição de um caçador, que denunciou seu esconderijo, dentro de um tronco oco de árvore, onde dormia. O grupo que o caçava, após vê-lo entrar, tapou o tronco e ateou fogo na árvore por dois dias e duas noites.

A igreja de São Benedito, em São Mateus

A mesma igreja de São Benedito, hoje

-10 fotos de mais de 160 anos foram coloridas para lembrar o horror da escravidão nos EUA

O quilombo liderado por Meia-Légua resistiu por aproximadamente quarenta anos, mas seu espírito permanece, bem como permanece a expressão, que, ao invés de evocar algo desagradável, como sugere sua aplicação mais comum, pode, na verdade, servir para celebrar as mais importantes lutas – e uma promessa de liberdade. As informações para a presente história vieram da Wikipédia e de post no perfil Thaciano Almuharib, Ativista do M.N.U., Pan Africanista e Dir. Políticas Públicas/ Sinthoress CUT, no Facebook.

Publicidade

© foto 1: Twitter/Alê Santos/Reprodução

© foto 2, 4: Wikimedia Commons

© foto 3: IBGE


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.