Ciência

Oceanos receberam quase 26 mil toneladas de ‘lixo covid’ desde início da pandemia

Vitor Paiva - 26/11/2021 | Atualizada em - 30/11/2021

Com o imenso salto na demanda por equipamentos sanitários, médicos e de segurança, a pandemia acabou se tornando também uma tragédia de grande impacto ambiental: se o uso e despejo de itens de plástico descartável já antes era uma emergência global, o uso de máscaras, luvas e outros itens de proteção contra a COVID-19 fez a situação disparar ainda mais.

Intitulado “Magnitude e impacto do desperdício de plástico associado à pandemia” (em tradução livre), um novo estudo publicado recentemente buscou medir a dimensão do impacto ambiental provocado pelo despejo de plástico a partir do uso desses equipamentos de segurança.

Máscara no mar

26 mil toneladas de plásticos em equipamentos de segurança foram parar no mar por conta da pandemia

Lixo covid 

Segundo o estudo, realizado por pesquisadores da Universidade de Nanjing, na China, desde o início da pandemia foram despejados cerca de 8,4 milhões de toneladas de lixo plástico ligados à pandemia em 193 países, dos quais  de 25.900 toneladas de plástico geradas diretamente pela pandemia através do uso desses equipamentos foram lançadas aos oceanos.

Para se ter uma dimensão concreta do tamanho desse despejo, o peso é equivalente a mais de 2 mil ônibus de dois andares sendo lançados aos oceanos, em comparação levantada por reportagem do jornal The Guardian.

-Lixo da pandemia: praias de SP são invadidas por máscaras

O lixo representa ameaça direta à vida marinha

O lixo representa ameaça direta à vida marinha

-Gari grava vídeo necessário sobre descarte de lixo na pandemia de coronavírus

De acordo com o levantamento, 87,4% desses despejos vieram de hospitais, com 7,6% de uso individual, 4,7% de embalagens, e 0,3% de kits para testagem.

A origem é principalmente asiática, com 46% do plástico vindo do continente, e 24% da Europa, 16% da América do Sul, 8% da África, e 6% da América do Norte. “Isso estabelece um problema a longo prazo para o ambiente dos oceanos, se acumulando principalmente nas praias e sedimentos costeiros”, diz a pesquisa, que clama por uma “gerência melhor dos despejos médicos nos epicentros da pandemia, especialmente nos países em desenvolvimento”.

máscara na praia

Grande parte dos despejos irregulares vai parar nas praias

-Máscaras contra coronavírus boiando em praias do RJ preocupam ambientalistas

Além de agravar o já existente e grave problema do uso e despejo de plástico não reaproveitável, os cientistas lembram o caminho desse impacto negativo pelos mares a partir da pandemia.

“Os plásticos lançados podem ser transportados por longas distâncias nos oceanos, encontrar a vida marinha, e potencialmente causar males ou mesmo mortes”, afirmaram Yiming Peng e Peipei Wu da, Universidade de Nanjing University, e autores do estudo. Os cálculos do levantamento sugerem que, até o fim do século, quase todo o plástico produzido por conta da pandemia acabará no solo oceânico (28,8%) e principalmente nas praias (70,5%).

luvas no mar

Mais de 8,4 milhões de toneladas de plásticos foram produzidas em equipamentos por conta da COVID-19

Publicidade

© fotos 1, 2: Getty Images

© foto 3: Flickr/CC

© foto 4: Alamy Stock


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Notice: date_default_timezone_set(): Timezone ID 'UTC-3' is invalid in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/part/home/brand-channel.php on line 29

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.