Ciência

Quem é Nísia Trindade, presidente da Fiocruz, nomeada para Academia Mundial de Ciências

Redação Hypeness - 24/11/2021

O último congresso da Academia Mundial de Ciências (TWAS) definiu os novos integrantes do grupo que reúne notórios cientistas do mundo todo e uma das novas integrantes da TWAS é Nísia Trindade, presidente da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) desde 2017 e dona de um currículo impressionante.

– Professora de universidade brasileira é eleita membra da Academia Mundial de Ciências

Socióloga formada na Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Nísia é pesquisadora em saúde pública. Em 1998, publicou sua tese ‘Um Sertão Chamado Brasil’, que conquistou o Prêmio de Melhor Tese de Doutorado em Sociologia no Iuperj. Desde o início dos anos 90 trabalha na área de pesquisa da Casa de Oswaldo Cruz, uma unidade de preservação e memória da própria Fiocruz.

– Saiba quais as 11 universidades brasileiras entraram no ranking das melhores do mundo

Ela assumiu o posto de presidente da entidade em 2017 e foi reeleita no ano de 2021 como mandatária do Instituto que trouxe vacinas para o Brasil e teve papel essencial na elaboração de políticas públicas contra a covid-19 em nosso país. Nísia foi parabenizada pelo Conselho Nacional de Saúde pela indicação. “O CNS destaca a importância do trabalho desenvolvido por Nísia à frente da instituição, em um momento em que a Fiocruz tem desempenhado um papel fundamental no combate contra o novo coronavírus”, afirmou a instituição em nota.

Além dela, também foram indicados outros nomes para a academia, como o de Adalberto Luis Val, biólogo e vice-presidente da ABC para a Região Norte; Ado Jorio de Vasconcelos, físico e professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); Márcia Walquíria De Carvalho Dezotti, engenheira e professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); Mariangela Hungria da Cunha, agrônoma e pesquisadora da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa); Marilia Oliveira Fonseca Goulart, química e professora da Universidade Federal de Alagoas (UFAL); e Santuza Teixeira, bioquímica e professora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

– O cientista negro da Baixada, com doutorado na Califórnia, que ganhou bolsa para estudar o coronavírus

Nísia e os novos ingressantes entram para o hall de 141 brasileiros que fazem parte da Academia Mundial De Ciências.

 

Publicidade

Fotos: Reprodução/Fiocruz


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.